Até o momento, a investigação apurou que mais de 30 licitações foram fraudadas a partir de 2012, além de várias dezenas de compras feitas de maneira direta, com a dispensa de licitações - Foto: 2ª Decor | PCSC | Divulgação

Uma série de ordens judiciais foram cumpridas, na manhã desta quinta-feira (10), em Sangão, pela pela 2ª Delegacia Especializada no Combate à Corrupção (Decor) da Polícia Civil de Tubarão. A ação integra a segunda fase da operação “Vale do Silício”, que apura fraudes em licitações, peculatos, corrupção passiva e associação criminosa, entre outros delitos ligados a compras e serviços no ramo de informática no município.

Durante a operação, mais de 20 policiais civis cumpriram quatro mandados de busca e apreensão, três em Sangão e um em Tubarão, além de prender temporariamente seis servidores públicos de Sangão. Outras duas pessoas foram conduzidas à Delegacia de Polícia suspeitas de receptação de telefones celulares, supostamente objetos de peculato identificados durante a investigação.

Na primeira fase da operação, deflagrada no dia 2 de agosto de 2021, dois empresários de Sangão haviam sido presos e uma servidora afastada das funções. Na ocasião, também haviam sido cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, o bloqueio judicial de R$ 1,1 milhão em bens e valores e a suspensão de todos os contratos das empresas utilizadas.

Além das prisões, a Polícia Civil também cumpriu quatro mandados de busca e apreensão: três em Sangão e um em Tubarão – Foto: 2ª Decor | PCSC | Divulgação

Após esta fase, a equipe da 2ª DECOR/PCSC passou a analisar materiais e dispositivos eletrônicos apreendidos, além realizar oitivas e outras diligências. Com o avanço das investigações e a identificação de outros participantes do esquema criminoso, o Poder Judiciário, com parecer favorável do Ministério Público de Santa Catarina, deferiu todos os pedidos formulados pela Polícia Civil, culminando na operação desta quinta-feira (10).

Até o momento, a investigação apurou que mais de 30 licitações foram fraudadas a partir de 2012, além de várias dezenas de compras feitas de maneira direta, com a dispensa de licitações. As investigações prosseguem para elucidar todos os fatos e identificar possíveis novos envolvidos.

A ação desta quinta-feira recebeu o apoio da Divisão de Investigação da Polícia Civil de Tubarão, Delegacia de Delitos de Trânsito e Divisão de Crimes Ambientais de Tubarão (DTCA), Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Tubarão, Delegacia de Polícia Civil de Jaguaruna, Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) e Coordenadoria Estadual de Combate à Corrupção (Cecor).

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul