sexta, 18 de janeiro de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Minha Vida de Cão - Cris Carara

Veterinário alerta para cuidados com cães nas piscinas

Publicado em 26/11/2018 00h10

Veterinário alerta para cuidados com cães nas piscinas

Proprietário do Clube de Cãompo explica que ao contrário do que muitos imaginam, nem todos sabem nadar.

Assim como os seres humanos, os cães também adoram se refrescar numa piscina nos dias mais quentes. No entanto, é preciso ficar atento: nem todos os animais sabem ou podem nadar. Certas raças como o pug e o boxer, que têm o focinho achatado e cabeça mais curta, têm dificuldade para respirar devido ao formato do corpo. Já outras como golden retriever, labrador e border collie adoram água e nadam com facilidade. O fundador e médico veterinário do Clube de Cãompo, Aldo Macellaro Júnior, fala sobre os cuidados que devem ser observados para tornar essa atividade ainda mais saudável e divertida.

De acordo com Macellaro Júnior, os bichinhos devem estar com a vacinação e a vermifugação em dia. Ele explica que a natação traz excelentes benefícios como grande gasto energético, menor impacto nas articulações e nos ligamentos do animal, além de garantir bem-estar e relaxamento. A prática não é recomendada apenas para animais debilitados, cardíacos e com problemas de pele.
Para os tutores que têm receio em relação à higiene, o veterinário esclarece: “No Clube de Cãompo temos um cuidado especial com as piscinas e utilizamos uma luz ultravioleta para reduzir o uso do cloro na água. Contamos ainda com um filtro específico para coletar os pelos dos animais”.

Atenção constante: O médico veterinário recomenda que os tutores nunca deixem seu cão sozinho na piscina, mesmo que ele saiba nadar. Outra dica é usar uma coleira peitoral para ter mais controle sobre os movimentos do bichinho. “Jamais use um enforcador, pois ele pode se afogar ao mergulhar”, alerta. Ele ainda recomenda observar se a piscina possui uma escada de fácil acesso para que o pet consiga sair sozinho.

Cuidados pós-piscina: As orelhas dos cães são bastante sensíveis e exigem atenção redobrada. A umidade, aliado ao calor, pode favorecer a proliferação de fungos e bactérias no canal auditivo dos cães. Por isso, é fundamental secar bem, com algodão ou gaze, os ouvidos do animal.
Outro cuidado é dar uma boa ducha de água doce para retirar o cloro para evitar alergias. Feito isso, seque bem o animal para não deixar a pele e os pelos úmidos.


Participe!
Se você, assim como eu, adora o seu aumigo e quer vê-lo aqui como nosso destaque, mande um e-mail para: a_crris@hotmail.com. Sigam-nos no Instagram @pipaminhavidadecao, Facebook www.facebook.com/minhavidadecao.


VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital