A queda de um avião de pequeno porte no mesmo endereço em uma área residencial de Belo Horizonte ainda estava na viva na memória de Cristiana Pereira dos Santos, gerente de uma padaria no bairro Caiçaras, quando ela identificou o acidente desta quarta-feira só pelo barulho.

“A gente estava na produção quando ouvimos um barulho muito forte e, na sequência, uma explosão. Parecia que era dentro da padaria. Todo mundo saiu correndo para a rua, que ficou cheia de fumaça. Na hora eu sabia que era um avião e pedi para todo mundo sair”, conta, que trabalha a um quarteirão de distância do local da queda.

Em abril, uma aeronave de pequeno porte também caiu na mesma Rua Minerva e deixou uma vítima, o piloto Francisco Gontijo, que morreu carbonizado. No acidente desta segunda-feira, 22, no mesmo endereço, pelo menos três pessoas morreram e três ficaram feridas, segundo o Corpo de Bombeiros.

O local da queda fica a cerca de mil metros da pista do aeroporto Carlos Prates, usado por empresas de táxi aéreo e escolas de aviação. A aeronave atingiu três veículos que estavam estacionados na rua e pegou fogo.

O comerciante Francisco Simplício de Melo, que tem uma loja de ferragens a 500 metros do local da queda, conta a VEJA que tomou um susto com a explosão. “Foi um estrondo muito forte. Parece que o avião tinha algum problema ainda no ar e foi perdendo altitude. Ele quase atingiu um prédio e bateu na rede elétrica quando caiu”, afirma. Ele acrescenta que quem andava na rua tentou se esconder quando percebeu a aproximação da aeronave.

Foto: Reprodução Globo/Divulgação