Tubarão

O tumulto ocorrido na noite da última terça-feira, em Tubarão, entre os guardas municipais e os travestis, na rua Padre Geraldo Spetmann, próximo à rodoviária, ainda rende polêmica. Os travestis alegam que a Guarda Municipal não os quer no local e que sofrem retaliação. E afirma que a presença deles inibe a chegada dos clientes.

A confusão gerou bate-boca e troca de agressões físicas e verbais entre as partes, pois os guardas ampliam a fiscalização do trânsito nas imediações por meio de blitze. As barreiras ocorrem em vários pontos da cidade, conforme o secretário de segurança e patrimônio, Carlos Eduardo de Bona Portão, o Preto. “Eles estão fazendo o seu trabalho”, garante. No entanto, o secretário alerta que muitas pessoas reclamam do lugar onde os travestis ficam. “Não somos contrários às atividades deles, mas a forma, o horário e o local são inadequados”, esclarece Preto.

O secretário lembra que foi feito um acordo para a mudança de ponto, mas a geografia da cidade mudou. “Na próxima semana, discutiremos o assunto com a administração, as Polícias Civil e Militar, e assistentes sociais para propormos uma alternativa e encontrar um lugar mais afastado para eles trabalharem e resolver o problema”, avisou Preto.