Amanda Menger
Tubarão

Santa Catarina possui cerca de 2,3 mil quilômetros de rodovias federais e ocupa o segundo lugar no país em um ranking assustador: o de mortes causadas por acidentes. Minas Gerais é o ‘campeão’ em mortes, porém, a malha rodoviária deles é o dobro. Um estudo feito pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) do estado mostra que a corporação tem um déficit de 350 policiais.

“Com certeza, se tivermos um número maior de policiais, a fiscalização que hoje é rigorosa seria ainda mais efetiva. A 2ª delegacia tem jurisdição sobre 219 quilômetros, entre Paulo Lopes e Passo de Torres. Para cuidar deste trecho, temos 65 policiais, mas eles não trabalham as 24 horas do dia, é feito escala, tem mais as férias e licenças médicas. Faltam policiais”, afirma o chefe da 2ª delegacia, Lauro Silveira Filho.

O maior problema do trecho sul é o intenso fluxo de veículos, que aumentou muito nos últimos 13 anos. Os dados da PRF apontam que, em 1995, 1.350.632 turistas visitaram o estado. Em 2008, foram 4.303.423, um aumento de 213%. “E parte destes turistas circulam pela BR-101 sul, até porque as praias da região são muito procuradas. Além disso, tem o aumento da própria população e o da frota. Estima-se hoje um carro a cada dois habitantes”, observa Filho.

A situação da região se agravará nos próximos anos. “Com a BR-101 duplicada, o fluxo tende a aumentar ainda mais. Além disso, nós ‘ganharemos’ a jurisdição de outra BR, a 285, que começa em Araranguá e vai até a serra gaúcha. Essa deverá ser uma rodovia com grande fluxo de caminhões, já que querem escoar a produção do Rio Grande do Sul para o porto de Imbituba”, adverte o chefe da delegacia.