Tubarão

A lotação no Presídio Regional de Tubarão ainda é a principal dor de cabeça do atual diretor da unidade, Deiveison Querino Batista. Ele chegou há quase dois meses para comandar o local, alvo de inúmeros escândalos este ano.

Apesar o prédio cheio – a capacidade é para 60 -, Deiveison e o seu braço direito, o chefe de segurança Paulo Damasceno, aplicaram algumas medidas para ‘organizar’ o local. “Fizemos um mutirão administrativo e outro processual, em parceria com o judiciário. Paralelamente adequamos outros pontos que atrapalhavam, de certa forma, os andamentos do trabalho”, explica Deiveison.

Vinte detentos de Tubarão já foram transferidos pela direção para cumprimento de medidas disciplinares. O grupo é acusado de tentar fugas e incentivar a violência entre os presos. Além disso, celulares, drogas e estiletes artesanais foram flagrados e recolhidos.

Desde que assumiu a unidade carcerária, nenhuma fuga foi registrada e houve decréscimo no número de detentos. Em junho, o presídio chegou a abrigar 335 pessoas. Hoje, são 310.

“Existem vários projetos para serem desenvolvidos quando a nova unidade, no bairro Bom Pastor, ficar pronta. Lá, teremos espaço e condições para trabalharmos melhor a ressocialização, por exemplo”, considera Deiveison.