O carro estava abandonado em uma rua no bairro Passagem. Adilson estava dentro, morto.
O carro estava abandonado em uma rua no bairro Passagem. Adilson estava dentro, morto.

Mirna Graciela
Tubarão

O jardineiro Adilson Florencio, 37 anos, foi assassinado ontem, por volta das 22h15min, na rua Floresta, no bairro Passagem, em Tubarão. O seu corpo foi encontrado dentro do Corsa branco placas JNZ-2475, da mesma cidade, no banco do caroneiro do carro. Segundo informações de moradores das proximidades, o homem era trabalhador, possuía esposa e filhos. Ele morava no bairro Recife e os seus familiares na Passagem.

As Polícias Civil e Militar foram acionadas. O corpo foi recolhido pelo Instituto Geral de Perícias (IGP). Dois projéteis não deflagrados foram encontrados na rua, ao lado do veículo, e um detonado no interior do Corsa. Existe a suspeita de que Adilson tenha sido vítima de latrocínio.

Os moradores da localidade estão revoltados. Muitos deles desabafaram à equipe do Notisul. “Ei, coloca aí no jornal, nós não aguentamos mais isto”, reclamou um deles. “Não temos mais sossego, todos os dias agora tem tiros por aqui”, queixou-se outro morador, bastante assustado.

Onze homicídios na Cidade Azul; 28 na região
Neste ano, 11 homicídios ocorreram na Cidade Azul. O número chega a 28 na Região Metropolitana de Tubarão. Grande parte dos crimes é motivada pelo tráfico de drogas. Os policiais civis da Divisão de Investigação Criminal (DIC) pretendem, no mínimo, atingir a eficiência e média de solução dos casos dos últimos anos: em 2009 e 2010, 60% dos homicídios foram solucionados. Em 2008, o índice foi de 100%.

Acusado de matar empresário é preso

Após aproximadamente 40 dias de investigação, um jovem de 22 anos foi preso preventivamente, ontem, pelo assassinato do empresário Charles de Carvalho, 38 anos, em maio, em uma boate de Tubarão. Ele foi levado ao Presídio Regional.

Por volta das 14 horas, os policiais civis da Divisão de Investigação Criminal (DIC) o prenderam em sua casa, na comunidade do Morro do Taió, no bairro São Martinho. Depois de concluído o inquérito, enviado ao poder judiciário, o acusado foi indiciado por homicídio triplamente qualificado. Segundo o delegado Marcos Ghizoni, coordenador da DIC, o crime teve motivo fútil, perigo comum e a vítima foi impossibilitada de defesa.

A operação foi iniciada na última sexta-feira, após denúncia do Ministério Público, que se manifestou favorável à medida cautelar. E, na manhã de ontem, os policiais civis realizaram campanas perto da residência do acusado.
Dois dias após o homicídio, em 21 de maio, um adolescente de 17 anos e o jovem preso ontem apresentaram-se à DIC. A versão apresentada pela dupla colocava a responsabilidade do homicídio sobre o menor. Ambos estavam armados na noite do crime, porém, o adulto alegou que os disparos foram efetuados pelo adolescente.

Para o delegado, é mais um caso preocupante em função do envolvimento de menores. “É uma tentativa de usá-los para livrar os verdadeiros autores. Vamos combater e não aceitar mais esta prática em Tubarão”, avisa Ghizoni.
As investigações foram realizadas pelos agentes da polícia civil da DIC, com apoio da Central de Plantão Policial da cidade (CPP), e coordenadas pelos delegados Marcos Ghizoni e Adriano Almeida.

Relembre o homicídio
O empresário Charles de Carvalho  foi assassinado com seis disparos de arma de fogo, na madrugada do dia 21 de maio, por volta das 4h30min, em uma boate no bairro Revoredo, em Tubarão. O crime teria consequência de uma briga motivado por uma mulher. A vítima chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, mas não resistiu. Charles era proprietário de uma empresa de pré-moldados, em Capivari de Baixo. Ele era filho do ex-vereador Sidney Alano de Carvalho, de Tubarão, também comerciante.

Motorista de veículo atingido por tiros está inconformada

“Não durmo e nem como desde aquele dia. Não consigo mais trabalhar, estou apavorada”. O relato desesperado desta tubaronense de 39 anos reflete a criminalidade desenfreada que tem assustado a população da cidade. Ela teve o seu veículo alvejado no bairro Campestre, em Tubarão, no último sábado à noite.

Ela trafegava na rua João Adolfo Corrêa, quando se dirigia à casa do irmão, no bairro Passagem. Oito balas atingiram o seu carro. Eram exatamente 20h20min quando foi efetuado o primeiro disparo. “No segundo, abaixei minha cabeça. A sensação é de que a bala tinha pegado em mim, pois o estouro é muito forte, causa uma surdez. Acelerei uns 200 metros sem ver o que tinha na frente. Daí, vieram os outros tiros”, relata a mulher, que felizmente não se feriu.

Após o crime, a mulher foi à Central de Plantão Policial (CPP). “Eles me falaram que, se eu tivesse três centímetros a mais, correria o risco de ter me machucado. Tiraram um pedaço do projétil, que ficou no meu cabelo. Não morri por Deus, acho que ele tirou com suas mãos as balas de mim”, emociona-se a condutora do veículo.

Ela conta que no bairro onde mora há muitas pessoas decentes, mas foi invadido por outras ligadas ao mundo do crime. “Vão esperar que pessoas honestas morram para tomar alguma atitude?”, desabafa a mulher.
Mais três carros foram alvejados na mesma localidade, também na noite de sábado, entre eles um Fiesta e um Ford Ka. Ninguém ficou ferido.