Para iniciar a implantação de bases de polícia comunitária em Santa Catarina, o assunto foi discutido em Brasília .
Para iniciar a implantação de bases de polícia comunitária em Santa Catarina, o assunto foi discutido em Brasília .

Mirna Graciela
Tubarão

O programa de implantação de bases de polícia comunitária em Santa Catarina está previsto para ser lançado ainda este ano. A partir disto, os projetos poderão ser inscritos.
O assunto foi discutido recentemente, em Brasília, entre o secretário de articulação nacional, Acélio Casagrande, o chefe da Polícia Militar do estado, coronel Valter Cimolin, e o diretor de apoio logístico da PMSC, Ruy Araújo Júnior. Ao todo, estima-se que Santa Catarina ganhe 27 unidades, que podem ter de 60 a 450 metros quadrados.

O secretário de articulação nacional acredita que as cidades do sul de SC tenham grandes chances de ser beneficiadas. “Há boas perspectivas de cidades como Tubarão, Criciúma e Araranguá receberem as bases, se levado em conta o número de habitantes. Estas bases comunitárias são de extrema importância para dar melhores condições de trabalho às Polícias Militar e Civil, colocando-as mais próximas da população”, acrescentou o secretário.
O objetivo é que a polícia esteja inserida efetivamente na comunidade. “Assim, terá um maior controle e poder de ação perante a criminalidade, a exemplo do que ocorre com as unidades de polícia pacificadora (UPAs) do Rio de Janeiro”, comentou Acélio. Conforme o coordenador da implantação de bases comunitárias nas cidades brasileiras, coronel Celso José Melo, esta é a primeira vez que um projeto de segurança pública estará incluído no Programa de Aceleração de Crescimento.

Como fazer parte do programa?
As cidades interessadas em ter uma base de polícia comunitária devem elaborar um projeto, por meio das prefeituras. Para isto, as propostas devem ser apresentadas quando o governo federal abrir o prazo. Os critérios não estão definidos porque o programa ainda não foi lançado oficialmente. Em uma outra etapa, o governo analisará os projetos e determinará os municípios beneficiados.
No entanto, o secretário de articulação nacional, Acélio Casagrande, lembra que é importante a cidade interessada estar com o gabinete de gestão integrada articulado. Em Tubarão, o projeto de lei para a criação do gabinete está em tramitação no legislativo. A previsão é de que seja aprovado e sancionado até agosto próximo. A autoria do projeto é do vereador João Fernandes.