Maycon Vianna
Tubarão

Fernando Vieira de Souza, 19 anos, filho do ex-gerente geral do Besc, suspeito de envolvimento no sumiço de dinheiro das contas-poupança em Pedras Grandes, esteve ontem durante todo o dia na Central de Polícia Civil de Tubarão.
Acompanhado do advogado da família, Leandro Alfredo Alves, Fernando defende o pai, Edílson Vieira de Souza, preso ontem, e afirma que ele não tem nada a ver com o problema nas contas-poupanças. “O meu pai foi gerente há meses e saiu do banco de maneira íntegra, com o PDI (Plano de Demissão Incentivada). Ele está à disposição da justiça para qualquer esclarecimento. Será provada a sua inocência. É um momento muito difícil para toda a família”, desabafa Fernando.

Os dois ex-funcionários do Besc (Edílson e Márcio Martins), que ocupavam os cargos de gerentes administrativo e geral, trabalharam juntos. A assessoria de imprensa do Banco do Brasil, que controla as ações do Besc no estado, abriu processo de auditoria no dia 24 do mês passado para analisar o caso e confirmou ontem que as providências garantirão que os direitos dos clientes sejam preservados.

Várias pessoas são
surpreendidas com a prisão

O sumiço de dinheiro das contas do Besc pegou de surpresa até mesmo o prefeito de Pedras Grandes, Antonio Felipe Sobrinho. Próximo ao meio-dia de ontem, ele recebeu a informação de que os dois ex-funcionários da agência haviam sido presos. “Creio que seja um trabalho de investigação bem executado pelas policiais civis. Fiquei surpreso quando soube da notícia da prisão, não achei que fosse feito tão rápido”, detalha o prefeito.

Os moradores de Pedras Grandes, cidade de sete mil habitantes, também foram surpreendidos após a prisão dos dois suspeitos. “Impressiona a rapidez com que eles foram detidos. O fato repercutiu em toda a cidade. Tudo que é feito de errado, não adianta esconder. Tinha na poupança R$ 20 mil, e quase tudo sumiu. Do jeito que a coisa anda, não tenho esperanças de recuperar esse dinheiro, mas o banco tem que dar um jeito”, diz o agricultor Silégio Dutra, 45 anos.

A assessora de comunicação do Banco do Brasil em Santa Catarina, Cristiane de Barros, também foi surpreendida com a notícia da prisão dos dois suspeitos, e garantiu que o banco continua a ressarcir o dinheiro dos correntistas prejudicados. “É o papel da polícia investigar e trazer os indícios. O banco também tem auditores que auxiliam o trabalho dos policiais”, detalha Cristiane.

Entrevista – Leandro Alfredo da Rosa

‘Ele está à disposição da polícia’
O advogado da família de Edílson Vieira de Souza, Leandro Alfredo da Rosa, esteve ontem na Central de Polícia Civil para acompanhar o seu cliente, suspeito de envolvimento no caso de sumiço de dinheiro em Pedras Grandes

Notisul – Qual o tipo de envolvimento de Edílson nas acusações sobre o sumiço de dinheiro em Pedras Grandes?
Leandro – Ele está à disposição da Polícia Civil para qualquer esclarecimento. Ele terá todo o tempo possível para prestar depoimento ao delegado Marcos. Houve a prisão temporária, e trabalharemos em cima do caso para inocentar o cliente.

Notisul – O senhor pedirá o habeas corpus?
Leandro – Dentro das possibilidades da lei, se for possível, com certeza iremos entrar com o pedido de habeas corpus.

Notisul – O senhor confirma o envolvimento do seu cliente no caso de Pedras Grandes?
Leandro – Ele está à disposição para qualquer esclarecimento. Ele é um homem de bem que merece respeito. Não cabe a mim julgá-lo.