O novo presídio regional masculino tem capacidade para abrigar 372 detentos - 120 no semiaberto e 252 no regime fechado. Foram investidos R$ 6,5 milhões e será administrado em parceria com a iniciativa privada
O novo presídio regional masculino tem capacidade para abrigar 372 detentos - 120 no semiaberto e 252 no regime fechado. Foram investidos R$ 6,5 milhões e será administrado em parceria com a iniciativa privada

 

Mirna Graciela
Tubarão
 
Enfim, após anos de espera, na tarde de ontem o novo Presídio Regional de Tubarão foi inaugurado, no bairro Bom Pastor. Com presença de representantes da iniciativa privada, autoridades políticas, Polícias Civil e Militar e população, o governador Raimundo Colombo e o vice Eduardo Moreira entregaram a tão aguardada obra.
 
Conforme o Notisul antecipou com exclusividade na edição de ontem, o anúncio da construção de uma unidade feminina no terreno ao lado do novo presídio foi oficializado pela secretária de justiça e cidadania, Ada de Luca e, depois, ratificado pelo governador durante a inauguração. A previsão é de que as obras iniciem no próximo semestre e o novo prédio esteja pronto em pouco mais de um ano. 
 
A secretária pediu a compreensão de todos para esperarem mais um pouco. “As mulheres, por enquanto ficarão na atual estrutura (bairro Humaitá de Cima), onde faremos uma higienização, pintura e outros reparos necessários para um melhor conforto. Depois, elas virão para cá (Bom Pastor), quando a unidade feminina estiver concluída”, explicou a secretária.
 
Os procedimentos para construção do prédio para as detentas seguirão a mesma dinâmica do presídio masculino. Será feita a licitação e os custos serão de responsabilidade do governo do estado. 
Após a mudança das mulheres, uma praça será construída no Humaitá. Trata-se de uma reivindicação antiga  da comunidade.
 
Sistema prisional em Santa Catarina é um grande desafio, para o governador
O novo presídio regional masculino tem capacidade para abrigar 372 detentos – 120 no semiaberto e 252 no regime fechado, em uma área de 1.917,18 metros quadrados. Foram investidos R$ 6,5 milhões e a administração será em parceria com a iniciativa privada. 
 
A estrutura contará com enfermeiras, consultórios médico e odontológico, salas para a administração, local para visitas de familiares e solários. São 135 funcionários, distribuídos em 40 postos, e 18 agentes penitenciários. 
Para a secretária de justiça e cidadania, Ada de Luca, esta é a grande obra da área prisional entregue, com um moderno sistema de segurança. “Tenho zelado muito pelo lema sistema humanizado, cidadania respeitada”, ressaltou a secretária. 
 
O governador Raimundo Colombo destacou que o setor prisional em Santa Catarina é um grande desafio. No entanto, não é somente a parte física. “Não queremos apenas contribuir com novas unidades, mas dar condições de trabalho aos presos, de ressocialização, para que, quando saiam, tenham uma perspectiva. Vamos viabilizar todos os meios para que sejam inseridos à sociedade”, afirmou o governador.   
 
Mesmo licenciado, o prefeito Manoel Bertoncini não deixou de comparecer à inauguração. “O ideal era não termos que inaugurar presídios, mas é necessário. Essa ação do governo é importante, pois os apenados terão melhor atendimento, assim como suas famílias, e também poderemos trabalhar melhor a ressocialização”, destacou Bertoncini.  
 
Policiamento a partir de hoje e remoção dos presos de forma progressiva
O sistema de segurança humana no Presídio Regional de Tubarão, além da parte física, é de extrema importância. A partir de hoje, a nova unidade terá policiamento, segundo o comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Ângelo Bertoncini.
 
Porém, conforme o comandante, existem dificuldades com relação ao efetivo de policiais militares de forma geral. “Estamos nos organizando para deslocar policiais para cá (Bom Pastor) e garantir a segurança. Não será o número que gostaríamos. Nos ajustaremos nos próximos dias, de acordo com a necessidade e a transferência dos presos”, informou o comandante. 
 
A remoção dos detentos se dará de forma gradativa. “A ideia é ocupar nos próximos dias. É uma questão logística e preferimos discrição quanto a isto”, destacou o gerente do presídio, Deiveison Querino. O deslocamento será de forma progressiva por vários fatores. 
 
“Como é uma nova estrutura, teremos regras internas operacionais com base na instrução normativa do departamento de administração prisional (Deap) e observando a lei de execução penal”, enfatizou o gerente. Tais regras são sobre segurança, disciplina dos detentos, entre outras.