Maycon Vianna
Tubarão

Dois homicídios em apenas três dias. Esse é o saldo sangrento que vive Tubarão. O tráfico de drogas é apontado como o principal causador das mortes. Na madrugada de ontem, por volta das 2h08min, Regiane de Jesus Burato, 30 anos, foi assassinada à queima roupa com dois tiros (um atingiu a cabeça e outro o braço) em frente ao Bar do Tetra, na rua São João, no bairro Morrotes.

Regiane transitava pelo local quando foi abordada por dois rapazes em uma moto. Um deles atirou contra a vítima. O corpo ficou estendido no asfalto por cerca de 40 minutos, até a chegada dos policiais militares, peritos e do Instituto Geral de Perícias (IGP). “Só ouvi os disparos. Estávamos no quarto da frente. Mas, como o barulho na estrada é frequente, quase nem damos importância. Depois, vimos toda a movimentação e percebemos que tinha uma mulher caída”, relata o aposentado Francisco Lunardi, que reside em frente ao local do crime.

Regiane tinha dois filhos (um garoto de 13 e uma menina de 10 anos). Os familiares confirmaram na tarde de ontem, durante o velório, que ela era usuária de droga. “Tentamos levá-la para fazer tratamento, mas não conseguimos. Foi lamentável a morte assim de forma tão brutal”, diz Arina Burato, 48 anos.
O corpo foi velado na Capela Santa Albertina e reuniu vários amigos e familiares. O enterro ocorreu por volta das 17 horas, no cemitério do KM 63, em Tubarão.

Ao perder a filha, pai fala
sobre o assassinato brutal

A morte da filha ficará para sempre na memória do caminhoneiro José Carlos Burato. Ele confessa que a filha tinha problema com drogas e suspeita que a morte tenha sido motivada por uma dívida. “Ela devia algumas pedras de crack e foi assassinada. A violência está demais. A lei do tráfico é esta. E, pelo que sei, outras pessoas morrerão”, afirma José Carlos.

O caminhoneiro soube da morte da filha por amigos ainda na madrugada de ontem. “Disseram que tinham matado Regiane. Que tragédia! A mãe dela entrou em desespero. Tentei conter as lágrimas, mas não consegui. É uma filha que parte, mas temos que ser fortes neste momento”, desabafa.

Os dois filhos da vítima moram com José Carlos há alguns anos. A Polícia Civil investiga os dois últimos homicídios na cidade – em apenas três dias. “Eles têm envolvimento com o tráfico de drogas. Precisamos ter certeza, há pelo menos três suspeitos. Continuamos com as investigações”, relata o delegado Marcos Ghizoni, da Central de Polícia Civil.

A moto utilizado no crime, uma CG Honda Titan cinza, com placa de Laguna, foi encontrada instantes depois do homicídio no Beco do Quilinho, no bairro Morrotes. O veículo tinha registro de furto do último dia 6.