Maycon Vianna
Tubarão

“Alô, quem é?”. “Aqui é da Central de Polícia. O que deseja?”. “Sua bruxa, não quero falar contigo, quero saber quem está de plantão…”.
O xingamento descrito acima e outras palavras de baixo calão foram registradas pela Central de Polícia Civil de Tubarão entre sábado e domingo passados, da 1 às 7 horas. A Polícia Militar também havia recebido diversos trotes do mesmo estilo, de uma pessoa não identificada que fazia ligações e pronunciava palavras obscenas. Foram constatadas 1.377 telefonemas em apenas dez dias. Todos da mesma pessoa.

A mulher que proferia palavras obscenas, de 28 anos, natural de Tubarão, foi advertida que o telefone da delegacia é de uso exclusivo para emergências e o número do celular que ele efetuou os telefonemas ficou registrado no identificador de chamadas da Central de Polícia. “A polícia orientou a mulher para que parasse de fazer ligações, porém, a mesma não deu atenção e continuou”, relata a secretária da Polícia Civil, Claudia Kesterng.

Os policiais de plantão convenceram a autora dos trotes a marcar um encontro. E o delegado Marcos Ghizoni determinou a abertura do termo circunstanciado por perturbação do sossego.
Durante estes dias de trotes, quem precisou ligar para o 190 em Tubarão, teve bastante dificuldades para obter êxito.
Após prestar depoimento na Central de Polícia Civil, ela foi liberada.