Mirna Graciela
Laguna
 
Uma audiência realizada ontem à tarde no fórum de Laguna definiu o destino dos 11 menores acusados de assaltar o sítio da desembargadora Salete Sommariva, na madrugada de segunda-feira, na localidade de Nova Fazenda, às margens da BR-101. Conforme o promotor de justiça Ruy Vladimir Soares de Souza, sete deles foram liberados, pois ficou constatado que não participaram diretamente do crime. Quatro confessaram. “Determinei essa apreensão com internação provisória até a finalização do processo, cujo prazo é de 45 dias para concluirmos o procedimento de apuração da responsabilidade do ato infracional”, explica. 
 
Os menores ficarão detidos quatro dias na delegacia de Laguna. “Nesse período, tenho que conseguir vagas em algum lugar. A minha pretensão é encaminhá-los para Lages ou Chapecó”, revela. O tempo máximo de pena é três anos. 
 
Dois dos quatro adolescentes já estavam com internação determinada pelo juiz, o que não ocorreu porque o estado não disponibiliza de vagas. “Um deles tem um histórico bem complicado. Os pais estão presos – o pai por furto, a mãe por porte de projéteis  – e o irmão foi morto a tiros há uns dois anos”, revela Ruy. 
 
Aos menores liberados serão aplicadas medidas sócio-educativas por terem algum tipo de envolvimento com os acusados após o assalto. 
 
Como foi o assalto
A família da desembargadora Salete Sommariva ficou na mira dos bandidos por duas horas. Eles invadiram a residência, armados e encapuzados, e renderam as cinco pessoas que estavam no sítio. O genro da desembargadora foi atacado com coronhadas, pontapés, ameaçado de morte com uma furadeira e precisou ser levado ao hospital. Os criminosos roubaram um Toyota Corolla e um Citroën C4 Pallas que estavam na garagem. 
A Polícia Militar de Laguna, com apoio de Imbituba e Tubarão, surpreendeu dois assaltantes na Praia do Sol. Houve troca de tiros, capotamento e um dos adolescentes foi atingido por um tiro na perna. Os demais menores estavam em uma residência no bairro Casqueiro.