O prefeito Manoel Bertoncini foi à COP, acompanhado do secretário de saúde, Roger Augusto Vieira e Silva, para receber os medicamentos.
O prefeito Manoel Bertoncini foi à COP, acompanhado do secretário de saúde, Roger Augusto Vieira e Silva, para receber os medicamentos.

Tubarão

Esta é a primeira vez que se tem conhecimento em Santa Catarina da doação de medicamentos controlados apreendidos, pois a lei determina a sua total destruição. Aproximadamente 3,5 mil caixas – o equivalente a R$ 70 mil – foram entregues ontem pela Central de Operações Policias (COP) de Tubarão ao prefeito Manoel Bertoncini e ao secretário de saúde, Roger Augusto Vieira e Silva.

Para o delegado Marcos Ghizoni, da Central de Polícia Civil, a ação somente foi possível porque ele fez uma exposição de motivos ao juiz corregedor Elliston Canali e ao promotor Álvaro Pereira Oliveira Mello, que abriu vista ao Ministério Público.

O prefeito agradeceu à polícia pela atuação no trabalho e destacou o benefício aos pacientes que têm dificuldades de conseguir esse tipo de medicação e os que possuem receitas poderão adquiri-los. “Também pelo fato da recuperação, porque alguns deles podem ter saído de nossa secretaria de saúde. Agora, serão destinados a farmácias básicas municipais. Uns são de uso hospitalar. Vamos ver uma forma de fazer a doação ao Hospital Nossa Senhora da Conceição e outros da região”, adianta Bertoncini.

Relembre o caso

Os medicamentos controlados e vendidos somente sob prescrição médica doados ontem à prefeitura de Tubarão fazem parte de uma das maiores apreensões da história da cidade, em setembro do ano passado, pela equipe da Central de Operações Policiais (COP). As drogas estavam escondidas na casa dos pais de um ex-representante comercial de medicamentos, no bairro Humaitá, que assumiu a posse dos comprimidos.

O ex-representante atuava como farmacêutico e revendia a droga a várias farmácias da região sem nota ou com nota fria. Ele foi detido em sua casa minutos depois da apreensão, no Loteamento A. Mendes, no Centro. Entre os medicamentos recolhidos, estavam anfetaminas, anfepramona, diazepan, promasepan, sibupramin e outros de tarjas preta e vermelha.