Tubarão

Os policiais da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Tubarão começam hoje a colher os depoimentos de familiares e conhecidos do jardineiro Adilson Florencio, 37 anos, assassinado na noite de segunda-feira, no bairro Passagem, na Cidade Azul.

Um inquérito policial foi instaurado para a apuração dos fatos. “Este é um caso que se inicia de forma complicada. Ainda não temos nenhum indício e todas as hipóteses estão sendo trabalhadas”, informou um investigador da DIC. No entanto, o investigador faz um alerta: “Estão atirando sem saber em quem, se são moradores, usuários de drogas ou traficantes”, avisa.
O corpo de Adilson foi encontrado por volta das 22h15, baleado, na rua Floresta, dentro do Corsa branco placas JNZ-2475, de Tubarão, no banco do caroneiro. Ele morava no bairro Recife e já residiu na rua em que foi morto. Projéteis não deflagrados foram encontrados do lado de fora do automóvel e um detonado no interior do Corsa.

Conforme uma pessoa que trabalhou com Adilson em um veículo de comunicação da cidade, onde fez trabalhos de jardinagem por três anos, de 2005 a 2008, ele era uma pessoa íntegra, batalhadora. “As pessoas notam quando o cara é de droga, o tempo acaba mostrando, e tivemos convivência o suficiente para perceber que ele não era disto. Estava sempre com os filhos, a família, ficamos chocados hoje (ontem) com a notícia”, revelou a pessoa, que preferiu não se identificar.
Neste ano, 11 homicídios ocorreram na Cidade Azul. O número chega a 28 na região Metropolitana de Tubarão.