Waguinho tinha 22 anos
Waguinho tinha 22 anos

Rafael Andrade
Laguna

Wagner Costa Romero, o Waguinho, 22, natural de Laguna, foi morto com cinco tiros, dois na cabeça e três no ombro, no pátio externo de uma casa noturna no bairro Jardim Juliana, às margens do acesso estadual de Laguna. O crime ocorreu na madrugada de sábado, por volta das 3 horas. Ele chegou a ser socorrido e encaminhado ao Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão, onde morreu na noite deste domingo. I Instituto Médico Legal (IML) da Cidade Azul recolheu o corpo. O delegado responsável é José Davi Machado, que responde interinamente pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, instaurou, ontem, dois inquéritos a respeito, já que uma jovem de 18 anos, possivelmente namorada de Waguinho, foi baleada na perna durante a confusão na área externa da casa noturna. Ela chegou a ser levada ao hospital e liberada pouco tempo depois. Com a morte de Waguinho, o município dispara na quantidade de assassinatos neste ano: 13. E com esta tentativa, de matar a jovem, o crime de homicídio tentado sobe para 14. A Polícia Civil chegou, até o fim de agosto, a cerca de 85% dos casos elucidados. Vários acusados estão atrás das grades e aguardam julgamentos, a maioria já está alojada na Unidade Prisional Avançada (UPA) da Cidade Juliana. Testemunhas informaram a polícia que o atirador que matou Waguinho fugiu em um carro preto.

“Um coisa é certa, as investigações estão bem adiantadas e deveremos ter uma resposta rápida à sociedade de mais este caso de homicídio em  nossa cidade”, adianta José Davi.

2
homicídios foram registrados em Laguna somente neste mês. Quase 100% dos 13 assassinatos na Cidade Juliana tem ligação com o tráfico de drogas ou briga de facção criminossa

Art. 121 – Homicídio
A pena para é a reclusão em regime fechado sem direito à fiança, pode variar entre seis a 30 anos. Pode ser enquadrado por homicídio simples; privilegiado; ou qualificado. O MP é o autor da ação, baseado em provas inicialmente levantadas pela polícia.