Maycon Vianna
Tubarão

A morte da garçonete Taiara Melo de Jesus, 31 anos, também conhecida como Patrícia, ainda é cercada de mistério. Os investigadores continuaram a ouvir ontem as testemunhas e levantaram algumas provas que praticamente confirmam a autoria do crime.
O crime ocorreu segunda-feira, por volta das 13 horas, na rua Jovelino Caetano Barbosa, no bairro Fábio Silva. A jovem morava no térreo de uma casa de dois andares com uma colega há quatro meses. No andar de cima, mora uma parente da vítima, que trabalhava como garçonete em uma casa noturna.

Até o momento, a moça com quem dividia a casa é a principal suspeita de envolvimento no homicídio. O seu desaparecimento após o assassinato e também as constantes desavenças entre as duas a incriminam. No entanto, a Polícia Civil pede cautela antes de confirmar a suspeita.
Segundo testemunhas, depois de aplicar os golpes com uma faca, a acusada fugiu em um táxi, o que evidencia o seu envolvimento no crime. Até o fechamento desta página, por volta de 21 horas, a polícia ainda não tinha informações sobre o seu paradeiro. O ex-namorado de Taiara também deve ser ouvido.

A faca usada para apunhalar a vítima também não foi encontrada. O quarto ficou todo manchado de sangue. A parede era o local com maior concentração de manchas. Taiara tinha um grande arranhão na coxa, além das perfurações.
O velório estendeu-se na madrugada de ontem e os familiares do Rio Grande do Sul e amigos de Tubarão participaram da cerimônia. O corpo foi sepultado de manhã, no Cemitério Municipal de Tubarão.