Tubarão

 

Por meio de um mandado de prisão, os policiais civis da Central de Plantão Policial (CPP) de Tubarão prenderam, nesta sexta-feira à tarde, Nei Aranha, 65 anos. Ele é acusado de ser o braço direito de Flávio Esmeraldino (já falecido) e gerenciar a parte do desmanche na oficina mecânica.  
 
O acusado foi detido no bairro Humaitá de Cima, quando conversava com o seu filho, de 42 anos, também acusado de envolvimento no esquema ilícito. Nei foi condenado a cinco anos e dez meses de prisão em regime fechado, pelo crime de receptação qualificada, e está no Presídio Regional. 
 
Segundo informações de um policial civil, Nei estava no nordeste, onde trabalhava como caminhoneiro, no transporte de soja. Chegou à polícia a informação de que ele havia voltado a Tubarão há cerca de 20 dias. Na quinta-feira, foi visto por um policial. Diante disto, iniciaram as buscas. 
 
O filho de Nei está em prisão domiciliar pelo mesmo crime, pois faz um tratamento de saúde. No entanto, existe a informação de que ele trabalha. Quando notou a presença dos policiais, fugiu antes da prisão de seu pai. 
 
O empresário Flávio Esmeraldino morreu em novembro do ano passado por complicações de uma pneumonia, aos 64 anos. Ele cumpria prisão domiciliar desde 2002, quando foi descoberto um megadesmanche de veículos e peças roubadas, em Tubarão. O caso teve grande repercussão nacional pela venda dos veículos para pessoas influentes da sociedade.