Foto: Divulgação/Notisul
Foto: Divulgação/Notisul

Imbituba

A primeira audiência relacionada ao caso da morte da modelo gaúcha Isadora Viana Costa, de 22 anos, em 8 de maio, foi realizada na tarde desta terça-feira. As testemunhas de defesa e acusação foram ouvidas na 2ª Vara de Imbituba. Devido ao grande número de testemunhas, a audiência ocorreu a portas fechadas e durou mais de seis horas.

O então namorado da vítima, 36, é acusado de feminicídio e também deve responder por fraude processual, pois, conforme o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), teria modificado a cena do suposto crime com o objetivo de induzir a perícia ao erro.

A audiência marcou a primeira vez em que o pai de Isadora, o cirurgião-dentista Rogério Froner Costa, e o acusado de matar sua filha, ficaram frente a frente. Pouco antes do início da peça judicial, Rogério e a advogada da família e assistente de acusação, Daniela Félix, concederam entrevista, onde refutaram e até ironizaram a tese utilizada pela defesa, a qual afirma que a modelo teria morrido vítima de uma overdose.

O homem teve a prisão preventiva decretada após a justiça negar dois pedidos de detenção. Ele foi recluso preventivamente no dia 16 de julho e encaminhado à Unidade Prisional Avançada (UPA) de Imbituba. Além de feminicídio, o réu responde por homicídio qualificado (por motivação fútil, quando a vítima não tem possibilidade de se defender).