Zahyra Mattar
Imbituba

A tranqüilidade registrada desde o mês de dezembro até agora, nas praias da Amurel, foi quebrada por duas situações espantosas em Imbituba. O primeiro caso foi o de duas crianças, um menino de 5 anos e uma menina de 7. Ainda era madrugada quando a UTI móvel do Samu de Tubarão foi acionada pelo Hospital São Camilo, de Imbituba.

Os dois irmãos foram transferidos às pressas para o hospital infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, com sintomas de envenenamento. As poucas informações sobre o caso, cuja investigação está em poder da Polícia Civil de Imbituba, é que a mãe recebeu a “receita” de que deveria colocar veneno de samambaia no xampu das crianças para eliminar piolhos.

Por sorte, a dose não foi mortal, ainda que tenha sido absorvida pela pele. A garotinha precisou ser colocada em um respirador. Ainda está na UTI do Joana de Gusmão. O irmão apresentou melhora ontem. Todavia, está na Unidade Semi Intensiva para observação. O caso da menina ainda é crítico e inspira vigilância constante da equipe médica.

O outro caso registrado na Polícia Civil, que igualmente está sob investigação e a versão oficial dos fatos deverá ser divulgada somente hoje, é um caso de provável latrocínio. Moradores da comunidade do Morro do Mirim encontraram um corpo por volta das 10h30min. O Corpo de Bombeiros foi chamado e constatou que o cidadão, identificado como Argeu Tarcio Eginio, 57 anos, morador da localidade, estava morto.

A Polícia Militar isolou a área e acionou a Civil, que agora cuida do caso. Ainda ontem, uma minuciosa investigação começou a ser feita. Descobriu-se que a casa de Argeu fora arrombada. Daí a propensão de que realmente trata-se de um latrocínio (roubo seguido de morte).