O gerente da instituição prisional, Glauco Roberto dos Santos, mostrou o espaço aos integrantes dos órgãos engajados na causa.
O gerente da instituição prisional, Glauco Roberto dos Santos, mostrou o espaço aos integrantes dos órgãos engajados na causa.

Mirna Graciela
Tubarão

O projeto para organizar uma sala de aula no Presídio Regional de Tubarão se transformará em realidade em breve. Ontem, o local onde será instalada a sala de aula foi definido. O gerente da instituição prisional, Glauco Roberto dos Santos, mostrou o espaço aos integrantes dos órgãos engajados na causa.

O espaço funcionará onde hoje é o posto da Polícia Militar. O lugar comporta 20 carteiras e tem um banheiro. Mas, para isto, a base da PM será removida ao piso superior, o que exige uma reforma.
Ao invés de construir uma nova estrutura, esta foi a melhor saída encontrada pela administração. “Assim, reduzimos custos ao reaproveitar o que temos. Aqui é um ótimo lugar. Está entre os muros, o acesso é seguro e há monitoramento constante. Agora só dependemos de material para a reforma do novo posto da PM”, detalha o gerente.

A mão-de-obra está garantida. O trabalho será feito pelos próprios detentos. Para o presidente do conselho municipal de segurança (Conseg), Maurício da Silva, vencer esta etapa é uma vitória a ser celebrada.
“Vale destacar a rapidez com que o Glauco nos atendeu e a forma eficaz com que ele viabilizou o local”, elogia Maurício.

Após o encontro no presídio, o presidente do Conseg reuniu-se com o presidente da Associação Regional de Engenheiros e Arquitetos de Tubarão (Area-TB), Thomaz Moojen.
“Eles farão o levantamento dos materiais à reforma e o orçamento, para podermos buscar os recursos junta da iniciativa privada. É só isto que falta”, antecipa Maurício.

Apenados passarão por triagem e terão redução de pena

Os detentos do Presídio Regional de Tubarão que desejarem estudar passarão, antes, por uma triagem das assistentes sociais. A previsão é de que seis turmas sejam formadas.
O professor será contratado por meio do Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja). Os que estudarem, terão a pena diminuída. Cada 12 horas de estudo será um dia a menos na prisão.
Outra medida que está em fase adiantada é adequação de mais duas salas no presídio. Uma será para atendimento jurídico, na ala do semiaberto. A outra é de espera, na estrutura do regime fechado.