Logo depois de cometer o crime, o acusado foi preso em flagrante pela Polícia Militar. Foto: Gilmar F. Estevam
Logo depois de cometer o crime, o acusado foi preso em flagrante pela Polícia Militar. Foto: Gilmar F. Estevam

Paulinho Sachetti
Tubarão

Um homem foi morto cruelmente com cinco facadas, no fim da noite de sexta-feira, na frente de um bar no bairro São João, em Tubarão. O assassino morava junto com a vítima em uma casa com mais quatro amigos.

Todos trabalhavam juntos no ramo de construção civil. Édio Duarte, 37 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu depois que um dos golpes acertou suas costas e atravessou na frente. O acusado pelo crime, Ednilso José Dalpoço, 32, foi preso em flagrante e já está no Presídio Regional de Tubarão.

Ninguém sabe as reais causas do crime, mas segundo informações extra-oficiais, Ednilso teria matado o amigo depois de descobrir que ele teria conversado com uma menina de 14 anos, surda e muda, com a qual tinha um relacionamento escondido. Na verdade, o criminoso queria mesmo era matar o irmão da menina, que estaria dificultando seus encontros às escondidas.

Édio caiu a poucos metros da porta de um bar, onde bebia cerveja junto com o acusado. Mesmo depois de caído e agonizando, Ednilso teria chutado várias vezes a cabeça da vítima.

O caso chocou toda a comunidade. “Moro aqui desde 1970 e nunca tinha visto um crime tão cruel. O que não entendo é que todos os dias eles vinham no meu bar e iam embora juntos. Nunca poderia imaginar que Ednilso teria coragem de cometer tal fato”, disse o dono do bar onde eles estavam, Moacir da Cunha, 56 anos.

Ele acionou a polícia logo depois que a vítima foi golpeada. Antes mesmo do crime ocorrer, ele fechou as portas e avisou os clientes que iria encerrar o expediente. “O crime foi na rua, logo que baixei as portas do bar. Quando vi, o rapaz estava caído e agonizando com os golpes que levou”, contou Moacir.