Tubarão

O trabalho de investigação da Polícia Civil de Braço do Norte sobre o inquérito da morte do empresário Valdemar Pizoni foi concluído. Os policiais investigavam o crime há quase um ano.

O desfecho do caso do assassinato do empresário de Orleans, no dia 31 de novembro do ano passado, acabou com a prisão de um casal, a ex-mulher da vítima e seu companheiro e primo de primeiro grau. Eles foram encaminhados ao Presídio Regional de Tubarão, onde aguardam julgamento. “É muito provável que o casal vá a júri popular. Foi uma investigação árdua, mas valeu a pena.
As evidências apontam os dois como autores do crime. Eles confessaram o assassinato após horas de depoimento na delegacia de Braço do Norte“, informa o agente de polícia Alexandre Martimiano.

O filho da mulher estava com o casal no Paraguai. Com 11 anos, a criança foi encaminhada pelo Conselho Tutelar à casa da tia, irmã da acusada, em Orleans. Como a morte do empresário foi constatada em Orleans e o corpo foi deixado pelos acusados em uma estrada deserta do interior de Braço do Norte, no bairro Nova Esperança, as policias de Orleans e Braço do Norte trabalharam juntos na investigação.

Entenda o caso
• Valdemar foi morto em Orleans com uma machadada na cabeça. O corpo foi levado a uma estrada deserta da região rural de Braço do Norte, onde foi deixado. Lá, o casal teria jogado cinco litros de gasolina e colocado fogo no corpo.
• Os criminosos retornaram a Orleans e também incendiaram o carro da vítima, uma S10 cabine dupla, com um mês de uso.

• O casal vendeu boa parte dos bens do empresário no dia seguinte e fugiu ao Paraguai, onde se refugiou na cidade de Santa Rita, até a última quarta-feira, quando foi detido pela polícia.
• O filho do empresário e da acusada dormia no banco de trás do carro enquanto Valdemar era queimado.