Carlos tem o objetivo de atender até 45 homens e 22 mulheres com problemas com o crack e o álcool nos próximos dois anos.
Carlos tem o objetivo de atender até 45 homens e 22 mulheres com problemas com o crack e o álcool nos próximos dois anos.

Imaruí

A região de Tubarão carece de clínicas destinadas à recuperação de usuários de drogas. No período de campanha eleitoral, entre julho e o mês passado, diversos políticos prometeram empenho para que hospitais ou clínicas especializadas sejam construídos no estado.

Para suprir a necessidade, Carlos Alberto Nogueira, 39 anos, ex-usuário de crack, fundou o Centro de Recuperação Vida Nova, na comunidade de Sítio Novo, em Imaruí. O local atende 23 homens e um adolescente de 17 anos. Mais de 90% dos internos são ou eram viciados em crack.

“Esta é a droga do século 21. Milhares de famílias brasileiras sofrem com a degradação deste entorpecente. Destrói muitos lares. Mas as pessoas que usam precisam saber que há irmãos que se preocupam. Todos têm direito a uma segunda chance e serem atendidos por quem os ama. Se o crack já se tornou comum, é preciso conviver com ele entre nós e recuperar o maior número de irmãos possíveis”, explica Carlos, que fumou crack por 12 anos.

A Vida Nova não conta com apoio do poder público. A casa foi inaugurada no fim de 2008 e já recuperou dezenas de jovens. O local vive de colaboração da iniciativa privada. “Fazemos um trabalho social que deveria ser de responsabilidade do estado. Seria interessante um amparo básico. Não pedimos muito, somente o necessário, mas até agora não fomos atendidos”, esclarece Carlos.

O convívio na clínica é espontâneo e o pagamento não é exigido dos internos que não têm condições financeiras. Mais informações através do telefone (48) 9932-7274.