Amanda Menger
Tubarão

A administração do Centro de Internamento Provisório (CIP) de Tubarão passará por mudanças novamente. Como o Notisul divulgou ontem com exclusividade, a Organização Não Governamental (ONG) Oficina de Arte Comunitária (Odac) ainda não assinou o convênio com a secretaria estadual de segurança pública e defesa do cidadão (SSP). E nem assinará. Ontem, a SSP oficializou o convite para que a Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Extensão da Unisul (Faepesul) assuma os trabalhos.

“Nós já aceitamos o convite. Atuamos com projetos sociais em vários estados e fazíamos poucas ações aqui em Tubarão. Esta é uma forma de contribuir com a cidade. Além disso, vemos todos os dias as matérias nos meios de comunicação falando das fugas e isso nos preocupa”, anuncia o gerente de projetos da Faepesul, Alexandre Martins.

Com a aceitação do convite, firmar o convênio é questão de dias. “Só precisa tramitar a documentação lá na SSP. Os treinamentos dos funcionários começam na próxima semana. Servidores da secretaria nos ajudarão a fazer uma análise da estrutura e uma proposta de trabalho”, revela Alexandre.

A parte física do prédio deverá receber melhorias. “Acreditamos que isso é importante, porque precisamos dar segurança aos monitores e aos adolescentes. Mas penso que o mais importante é mudar a metodologia de trabalho. Os jovens não podem ficar ociosos, têm que ter atividades e temos que conhecer o contexto em que estão inseridos e atuar nisso também”, avalia o gerente.

Entenda o caso
• O Centro de Internamento Provisório (CIP) de Tubarão foi administrado até o dia 1º de junho pela prefeitura por meio de um convênio com o governo do estado. O contrato não foi renovado.
• Durante quase um mês, o estado administrou a instituição com funcionários da secretaria estadual de segurança pública e do departamento de justiça e cidadania (Djuc). Em 1º de julho, a Organização Não Governamental Oficina de Arte Comunitária (Odac) assumiu os trabalhos, contudo, o convênio não foi assinado. Ontem, a SSP oficializou à Faepesul o convite para administrar o CIP.

• Neste ano, foram registradas seis fugas de menores. Duas ocorreram quando a administração era feita pela prefeitura, em fevereiro, uma durante a intervenção do estado, em junho, e outras três com a Organização Não Governamental (ONG) Oficina de Arte Comunitária (Odac), neste mês.