Bianca soma o prejuízo provocado pelos ladrões este ano: cerca de R$ 1 mil. Ela lamenta a participação de menores nos crimes.
Bianca soma o prejuízo provocado pelos ladrões este ano: cerca de R$ 1 mil. Ela lamenta a participação de menores nos crimes.

Rafael Andrade
Tubarão

“Minhas prioridades são as áreas da saúde, educação, moradia, cidadania, lazer, cultura e segurança”. Assim, dezenas de candidatos iniciaram os discursos nas propagandas eleitorais gratuitas no rádio e na televisão. No entanto, o item segurança não tem ‘funcionado’ como deveria em Santa Catarina.

A comerciante Bianca Anacleto Mendes, proprietária da lanchonete Papilonn, no bairro Humaitá, em Tubarão, reclama das falhas na proteção ao cidadão.
”Não acredito mais em promessas. É muito bonito quando os juramentos são pronunciados pelos candidatos, porém, após as eleições, independente de quem vença, parece continuar tudo na mesma: poucos policiais nas ruas, falta de políticas públicas constantes de proteção a empresários e comerciantes e assitencialismo nas periferias”, enumera Bianca.

A lanchonete Papilonn foi alvo de assaltantes pela segunda vez em 40 dias. Por volta das 23h15min de quarta-feira, um rapaz aparentando ser menor de idade entrou no estabelecimento de capacete e com uma camisa escondendo o rosto.
“Ele apontou um revólver para a minha cabeça e exigiu todo o dinheiro do caixa. Levou até mesmo as moedinhas”, lamenta Bianca, que está grávida de cinco meses. O jovem ladrão fugiu sem deixar pistas. Ele levou aproximadamente R$ 250,00 em dinheiro.

Em 8 de agosto, Dia dos Pais, dois bandidos anunciaram um assalto e levaram cerca de R$ 700,00 em dinheiro do mesmo estabelecimento. Agora, a meta é mandar instalar câmeras de vigilância, com o intuito de inibir a ação dos criminosos.