#Pracegover Foto: na imagem há uma pessoa segurando um celular
#Pracegover Foto: na imagem há uma pessoa segurando um celular

“Nudes e um copo de água não se nega a ninguém”, esta é a afirmação de milhares de pessoas que são adeptas ao compartilhamento de fotos íntimas. Nos últimos anos essa exposição se tornou fácil com o advento de aplicativos e redes sociais como o WhatsApp e Facebook, por exemplo.

Um nude pode ser uma foto erótica que insinue algo em relação ao corpo, porém tem uma ampla possibilidade. Pode ser uma imagem de genitália até uma foto mais sensual. Diálogos como um simples: “me manda um nudes?”. “Mando, claro”, pode esconder intenções nada ingênuas daquele que fez a pergunta e se tornar uma ‘gigante’ dor de cabeça naquele de quem enviou a foto.

Conforme o delegado da Divisão de Combate a Furtos e Roubos, da Delegacia de Polícia da Comarca de Tubarão, Bruno Martins, os golpistas criam perfis fakes nas redes sociais utilizando-se de fotos de belas mulheres, adicionam, em regra, homens e iniciam uma conversa através de um aplicativo de mensagens. “Durante a conversa, a mulher manda fotos de mulheres nuas semelhantes a imagem da jovem utilizada no perfil e pede para que o homem envie fotos suas também. A vítima acaba mandando. A partir desse momento, o golpista passa a exigir valores em dinheiro para não enviar aquelas imagens para a esposa, familiares e amigos da vítima ou, algumas vezes, dizendo ser pai da mulher do perfil e que ela é adolescente e caso ele não pague o valor, o indivíduo vai publicar a foto da vítima nas redes sociais como um pedófilo”, explica.

Segundo o profissional de segurança pública, em regra, a extorsão é praticada por indivíduos que se encontram presos. “Acredito que com a pandemia e o isolamento social, os casos aumentaram. As pessoas antes de aceitarem um convite nas redes sociais devem verificar quantas fotos o perfil possui, se as fotos são muito profissionais e se o pericial possui poucas informações, indícios de que o perfil é fake”, pontua o delegado.

Geralmente os criminosos abordam homens na faixa dos 30 a 50 anos, enviando mensagens picantes e sugerindo a troca de fotos íntimas. Tem chamado a atenção das autoridades policiais a quantidade de golpes praticados por criminosos na internet. Os registros de pessoas lesadas em redes sociais e aplicativos de mensagens aumentaram de forma considerável em todo o país, sobretudo após o início da pandemia.

 

Polícia Civil dá dicas de como evitar cair nos golpes:

  • Não compartilhe fotos íntimas pela internet;
  • Evite e desconfie de solicitações de amizades de desconhecido nas redes sociais, quanto mais adicionar e conversar
  • Não forneça dados como nome completo, CPF, RG, endereço, conta bancária e senha para estranhos em ligações telefônicas, mensagens SMS ou WhatsApp;
  • Cuide com operações bancárias (depósitos ou transferências em dinheiro) para pessoas do círculo familiar ou de amigos, principalmente em solicitações pelo WhatsApp;
  • Evite conversar com prefixos telefônicos desconhecidos;
  • Se for vítima de algum golpe, procure a polícia e registre ocorrência.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul