Rafael Andrade
Tubarão

O afastamento de um agente prisional foi determinado pelo juiz corregedor do Presídio Regional de Tubarão e da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais, Elleston Canali (foto). O magistrado ainda requisitou ao delegado Marcos Ghizoni, responsável pelo Núcleo de Investigações Criminais de Tubarão, a instauração de um inquérito para apurar suposta violência arbitrária cometida por agentes do Departamento Estadual de Administração Prisional (Deap) na operação “Pente Fino”, realizada no presídio tubaronense no último dia 28.

Após esta operação, na semana seguinte, 76 dos mais de 250 detentos escreveram uma carta. Os presos enviaram a correspondência ao juiz Elleston Canali, que, mediante avaliação e investigações, decidiu pelo afastamento e instauração do inquérito.
O delegado tem 30 dias para definir se houve ou não crime de excesso de força ou espancamento aos presidiários. “Ele ainda pode prorrogar este prazo. Acredito que será estendido pelo conjunto de pessoas envolvidas”, avalia Elleston.

No dia da Operação “Pente Fino”, 32 agentes prisionais da Penitenciária Sul de Criciúma e do Deap de Florianópolis participaram da revista, solicitada pelo atual administrador do presídio, Fabrício Buss de Medeiros, e pelo Ministério Público. Fabrício assumiu a instituição no dia 23 de setembro.
A promotora de justiça Luciana Rosa solicita esclarecimentos sobre denúncia de maus tratos pelos agentes durante a operação.