Uma nova rodada de negociações entre o governo estadual e os dirigentes das entidades que congregam os Policiais Militares, para tratarem da reposição salarial, vai acontecer hoje no Centro Administrativo. Nos encontros anteriores ocorreram alguns avanços entre as reivindicações dos militares.

O principal impasse está no percentual do reajuste. Os dirigentes pleitearam 37%, com base nas perdas pelo INPC dos últimos seis anos sem atualização. O governo ofereceu 12,5% pagáveis em três anos. Houve contraproposta de inclusão de mais 4% referente ao último ano.

Nos cálculos foram feitos nos últimos dias e serão avaliados hoje a tarde por técnicos ligados ao grupo gestor. O governo já tem concluídos estudos sobre a situação salarial dos professores. Segundo o secretário da Educaçao, Natalino Ugioni, o reajuste do piso salarial já vem sendo pago desde janeiro e há estudos sobre reposição para toda a carreira do magistério.

Estes estudos dependem de análise do impacto na folha de pagamento e definição final do Executivo. O secretário da Administração Jorge Tasca informou que também foram iniciadas negociações com o Sindisaúde para concessão de benefício salarial aos servidores da área da saúde. Os reajustes de vencimentos nas áreas da segurança pública, educação e saúde, contudo, dependem do comportamento da arrecadação e dos impactos na folha de todo o Estado.