Pouco mais de 200 quilômetros separam as praias do litoral sul catarinense da região mais gelada do país, o planalto serrano, onde neve e geada são visitas constantes a cada inverno.

Um roteiro exuberante, em qualquer estação, que só não se tornou um destino internacional pela ausência de infra-estrutura turística adequada. É esta lacuna que o projeto Serramar pretende cobrir, integrando o litoral ao planalto, formando assim um roteiro turístico completo e de grande diversidade.
Das águas termais e avistagem das baleias franca ao ecoturismo, turismo rural e de inverno, este projeto prevê a interligação de Lages, no coração do planalto serrano, a Laguna, município de imenso legado histórico e cultural, situado no litoral sul catarinense.

O Serramar, que pretende integrar também a serra gaúcha, é de imenso valor ao turismo nacional, pois agregaria em seu roteiro de opções (além de maravilhas como o litoral nordestino, lençóis maranhenses, Amazônia, Pantanal, cidades históricas mineiras e fluminenses, etc.) um pouco do Brasil que poucos lá fora conhecem – e vão buscar em países vizinhos como Argentina e Chile.

Não é exagero dizer que o projeto Serramar, quando implementado, irá mudar em definitivo a realidade de uma região prejudicada pela sazonalidade do turismo. A falta de alternativas viárias é um dos fatores que mais dificulta a visitação ao planalto e ao litoral sul. Com infra-estrutura completa, será um destino inigualável no país, levando o turista da praia ao clima de campo e serra em pouco mais de duas horas.

Somente em Santa Catarina, o projeto Serramar envolve 43 municípios, cada um com amplo potencial para enriquecer esta rota – seja no setor de compras e serviços de Tubarão, nas termas de Gravatal, na importância histórica de Laguna, no recente pólo vinícola de São Joaquim ou nos hotéis fazenda de Bom Jardim e Lages, entre outros.

Por conhecer a riqueza natural da região e vislumbrar, desde já, o que este projeto pode fazer que reunimos forças políticas, econômicas e sociais em prol do Serramar. As bancadas federais de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul atuam em conjunto no congresso para sensibilizar o governo federal para este importante projeto, que tem especial atenção deste deputado.

O governo catarinense já conta com R$ 60 milhões do orçamento para obras de infra-estrutura (sinalização, melhoria da malha rodoviária) e os gaúchos já destinaram outros R$ 90 milhões no programa de interligação com a serra catarinense.

Não há dúvidas que, daqui a seis anos, quando o Brasil sediar a Copa do Mundo de 2014, a região envolvida neste projeto chamará muito a atenção dos turistas europeus, árabes e asiáticos que estarão no país. Ainda mais que a Copa acontece em pleno mês de julho, oferecendo uma visão de inverno jamais imaginada para um país tropical.
Por tudo isso, sabemos que há um mundo a se construir na região. E o projeto Serramar é a porta de entrada para ele.