O mês de maio para grande parte do planeta inicia com feriado. As festividades de hoje têm caráter de homenagear todos aqueles que no dia-a-dia buscam a sua santificação e o sustento de suas famílias através do trabalho. Agora, talvez não conheçamos ou não lembramos como surgiu essa data e o seu significado. Que neste ano possamos aproveitar bem esse feriadão diante das nossas famílias e junto da sua Comunidade.

Na cidade de Chicago – que era o parque industrial dos Estados Unidos -, no ano de 1886, operários de uma fábrica revoltaram-se com as situações desumanas, a que eram submetidos. Houve greves e mortes. Albert Parsons, um dos oradores do comício de Haymarket; August Spies, Adolf Fischer e George Engel foram enforcados mais tarde. Louis Lingg suicidou-se na prisão. Já Samuel Fielden e Oscar Neeb, foram julgados e condenados. Este episódio ficou conhecido como o “Martírio de Chicago”.

Em 1955, o papa Pio 12 instituiu a Festa de São José Operário, dando um protetor aos trabalhadores e um sentido cristão à “festa do trabalho”. O objetivo foi que, através da pessoa de São José, a igreja coloca-se aos trabalhadores. São José, que foi um homem justo perante Deus, alguém humilde, paciente, zeloso, soube colocar os interesses dos outros acima do seu. Suas qualidades são inspirações a todos nós, para que saibamos ser mais humanos, no trabalho, na comunidade e na família.

Quem são os trabalhadores de hoje? A resposta é simples, somos nós. Trabalhador ou trabalhadora não é apenas quem possui carteira assinada. Trabalhar é buscar a sobrevivência e lutar por sonhos. Trabalhadores são todos que procuram dar bons exemplos aos seus filhos, sustentar a sua família e servir à comunidade. Trabalhar é uma atividade também humana, e que podemos realizar da forma mais honesta possível. Não procuremos nos espelhar em trabalhos que deixam a nossa alma e dignidade “sujas”, por causa da corrupção e exploração. Devemos ter orgulho de estar sujos fisicamente e de consciência limpa. Que o seu trabalho de “martírio” seja substituído por um trabalho de “paz”.