Este ano, muita gente tem se perguntado por que o Carnaval será mais cedo em relação aos anos anteriores. Afinal, quem estabelece a data? A resposta é simples e tem a ver com a data da Páscoa, que é móvel e acaba por definir as datas de outras festas.

Segundo o que prescreve o livro do Êxodo, no capítulo 12, os judeus celebravam a Páscoa no dia 14 do mês de Nissan. Era a celebração da libertação da escravidão do Egito para a liberdade da Terra Prometida por Deus a Abraão. A igreja católica celebra a Páscoa cristã, Ressurreição de Cristo, acompanhando de certa forma a data da Páscoa judaica. Como o calendário judeu era baseado na lua, então a data da Páscoa cristã passou a ser móvel no calendário cristão, assim como as demais datas referentes à Páscoa. Tanto na igreja católica, como nas protestantes e ortodoxas.

O primeiro Concílio Geral da Igreja (Nicéia, 325 d.C.) determinou que a Páscoa cristã fosse celebrada no domingo seguinte à primeira lua cheia após o equinócio da primavera do hemisfério norte (21 de março), podendo ocorrer entre 22 de março e 25 de abril. Em astronomia, equinócio é definido como um dos dois momentos em que o sol cruza o plano do equador celeste. Os equinócios ocorrem em março e setembro, e são as duas ocasiões em que o dia e a noite têm duração igual.

Neste ano, a lua cheia ocorre dia 21 de março. Assim, a Páscoa será dia 23 de março, que é o primeiro domingo após a lua cheia. No próximo ano, a Páscoa será em 12 de abril. As datas móveis que dependem da Páscoa são: terça-feira de Carnaval (quarenta e sete dias antes da Páscoa), Quaresma (tem início na quarta-feira de Cinzas e termina no domingo de Ramos, uma semana antes da Páscoa), sexta-feira Santa (a sexta-feira imediatamente anterior), sábado da solene Vigília Pascal (o “sábado de aleluia”, na véspera), Pentecostes (o oitavo domingo após a Páscoa) e Corpus Christi (a quinta-feira imediatamente após o Pentecostes).