D e 1º a 8 de agosto comemoramos a Semana Mundial da Amamentação. Neste período intensificamos ações de promoção ao aleitamento materno. Amamentar é um ato de amor. É doação. É proteção. Amamentar é um momento único, uma experiência inesquecível.

Toda mulher deve ser incentivada a amamentar, salvo alguma intercorrência que impeça mulher e seu bebê deste ato. O leite oferecido pela mãe é completo, protege contra infecções, está sempre na temperatura ideal para ser ingerido pelo bebê, é gratuito. A sucção do bebê no peito da mãe estimula o desenvolvimento dos músculos da face, auxilia na dentição e na fala.

Amamentar aumenta os laços afetivos e ajuda a mãe a se restabelecer mais rápido após o parto, pois estimula o útero a voltar ao tamanho normal. Existem algumas informações que devemos sempre destacar: não existe leite fraco e é muito importante a mãe ser orientada sobre a técnica correta da amamentação. Não que toda mãe precise ser treinada, mas há informações simples que auxiliam muito a mãe e esclarecem dúvidas, diminuindo as chances da mãe parar de amamentar.

Nos primeiros seis meses a amamentação deve ser exclusiva, ou seja, o bebê não precisa de água ou outro tipo de leite. A posição mais correta para amamentar é aquela em que mãe fica confortável, onde a barriga do bebê fica encostada no corpo da mãe, a boca do bebê deve sugar a aréola e não somente o bico do seio. E deve-se ter tempo e querer amamentar. O bebê precisa aprender também a sugar adequadamente e logo esse processo vai ficando mais prático tanto para a mãe quanto para o bebê.

Por que muitas mães não amamentam ou param de amamentar cedo? Precisamos rever essa resposta. Uma mãe que não pode amamentar recebe orientações de como proceder neste caso. A mãe que pode amamentar deve receber as orientações ainda no pré-natal para que consiga superar as dúvidas e as dificuldades tão logo comece a exercer o papel de mãe. Muitas não conseguiram amamentar porque simplesmente não tiveram um apoio ou auxílio de um técnico na área da saúde, de uma mãe ou do próprio esposo.

Desta forma não conseguiram superar os primeiros dias, que são os primordiais, considerados os dias de adaptação da mãe à nova rotina. Procure a unidade básica de saúde mais próxima e esclareça suas dúvidas sobre a amamentação. E lembre-se: mãe, você tem o que há de melhor para o seu filho!