OBrasil teve duas vertentes imigratórias: a primeira buscava atrair pessoas para serem proprietárias rurais e a outra simplesmente visava obter braços para as lavouras de café. O sul do Brasil atraía os italianos que sonhavam em transformarem-se em proprietários de terra, devido à disponibilidade de áreas e o clima que favorecia as atividades que os italianos já desenvolviam na Itália. 

A imigração italiana para a região sul foi ininterrupta entre 1875 e 1892, quando entrou em decadência. E uma das causas pode ser por estarem estas colônias italianas em regiões isoladas. Isto se transformou em barreiras enormes ao seu desenvolvimento. Por outro lado, permitiu a manutenção de usos e costumes. No início, 95% dos italianos nos estados do sul se dedicavam à agricultura e no artesanato urbano. Em Santa Catarina, os italianos da região norte da Itália que chegaram no fim do século 19, fugindo da pobreza, se estabeleceram principalmente no sul do estado. 

Atualmente, seus descendentes representam quase metade da população catarinense e ocupam posição de destaque na economia através da vinicultura e da produção de grãos, queijos e embutidos. Nas nossas colônias, os imigrantes italianos puderam se agrupar no seu próprio grupo étnico, falar seus dialetos de origem e manter sua cultura e tradições. E foram, não somente para o sul de Santa Catarina, muito importantes para o desenvolvimento econômico, assim como para a cultura e formação étnica da população.

Por tudo isto, o Comitato Veneto de Santa Catarina (Comvesc), fundado em 2001, atua diretamente com as associações venetas no estado para difundir toda esta importante saga. Para 2016, trabalha-se no projeto de celebração dos 140 anos de imigração italiana no sul de Santa Catarina, tendo o Comvesc como propulsor das várias atividades junto às associações vênetas do nosso estado. Faz-se necessária esta reverência, pois se estes imigrantes não tivessem chegado a estas terras não teríamos este legado forte das raízes que ainda tanto nos orgulha. Na região sul, há 139 anos, 90 famílias com cerca de 291 pessoas chegavam. De lá até hoje, estes imigrantes começaram o desenvolvimento da região pela agricultura e tantas outras iniciativas que trouxeram para uma nova vida. O trabalho deste povo precisa ser mostrado ao mundo para todos pensarem o quanto foi importante a chegada deles para o desenvolvimento da região sul e de toda Santa Catarina. 

São 140 anos de história que nossa geração aprendeu a conhecer, respeitar e divulgar por meio de nossas iniciativas e ações. É nosso dever enquanto Comvesc trabalhar para que as próximas gerações saibam falar sobre estes 140 anos e sobre os outros tantos que ainda virão e que contribuirão ainda mais para o desenvolvimento do nosso estado.