Venho falando muito sobre autenticidade nos últimos textos aqui em minha coluna, mas o que é essa tal autenticidade que parece ser tão importante para nossa imagem?

Bom, ela não parece ser, mas é de fato importante para conseguirmos imprimir verdade sobre nós e com isso impactar de forma positiva as nossas relações. A busca por esse sentimento se dá quando entendemos quem somos, como queremos nos sentir e como almejamos que o mundo nos perceba. Acontece que todos nós nascemos com uma essência, nosso temperamento nato, que ao longo da vida vai se modificando (personalidade) por conta do meio em que vivemos. Essa mudança acontece quando estamos tentando nos proteger, ou como uma forma de sobrevivência afim de sermos aceitos em sociedade. Queremos pertencer. Mas, em algum momento, podemos correr o risco de alterarmos nosso comportamento diante de situações por medo de nos revelar, querendo camuflar nossos defeitos (todos temos), mas esquecemos que esconder nossa vulnerabilidade pode nos fazer parecer superficial.

É a tal da autenticidade que escondemos por medo do julgamento alheio.

Relacionando isso com a nossa vestimenta, nos intimidamos a usar determinado tipo de roupa por acreditar que não é “bonito”, ou porque vão nos “taxar” de alguma coisa (rótulos, estereótipos). Na verdade, essas “crenças” foram introduzidas no nosso cérebro e muitas vezes pode ser difícil desconstruir tantos pré-conceitos. Resgatar a nossa “pureza” é eliminar todas essas limitações que nos impedem de ganhar confiança, é um processo de autoconhecimento engrandecedor. E você, esta esbanjando autenticidade ou ainda se esconde?