“Eles levavam uma vida bastante confortável, luxuosa e consumista. Agora precisamos saber se isso é em decorrência do trabalho deles, ou do dinheiro arrecadado pela campanha AME Jonatas”. A fala é da delegada da Polícia Civil de Joinville Geórgia Bastos, que investiga se os pais do menino Jonatas, Renato e Aline Openkoski cometeram ou não crimes de apropriação indébita e estelionato. 

Nesta quinta-feira (1) a polícia esteve na casa da família cumprindo mandado de busca e apreensão. Os detalhes da operação foram apresentados à imprensa na manhã desta sexta-feira (2).

Para a delegada que comanda as investigações, Geórgia Bastos, ao entrar na residência ficou claro que Renato e Aline levavam uma vida bastante confortável. “Nosso questionamento é se isso é proveniente dos esforços do casal ou do dinheiro arrecadado pela campanha AME Jonatas”, disse a delegada.

Pelo material apreendido dá para se ter uma noção do aumento na qualidade de vida do casal, que antes da campanha morava em uma casa bastante humilde na zona Sul de Joinville. Roupas e assessórios de grife, vídeo game e celulares de última geração, joias e perfumes importados, um aeromodelo de controle remoto e até um revólver de brinquedo foram encontrados pela Polícia Civil na casa de Renato e Aline. Hoje a família vive em uma casa confortável no bairro Anita Garibaldi.

“Estamos diante de fortes indícios de que o dinheiro da campanha foi usado para outros fins. O casal não apresentou comprovantes rendimentos que possam atestar que tais produtos fossem comprados com recursos próprios e não da campanha. Também conseguimos localizar na casa comprovantes de que as passagens a Fernando de Noronha foram pagas pelo casal”, completou a delegada Geórgia Bastos.

Mais de dez pessoas já foram interrogadas. A investigação segue em andamento, e o casal deve prestar depoimento à Polícia Civil nas próximas semanas. 

Assista ao vídeo do momento em que a Polícia Civil apreende os bens do casal.