Obras para duplicação das pistas complementares deverão ter a autorização expedida no próximo mês
Obras para duplicação das pistas complementares deverão ter a autorização expedida no próximo mês

 

Zahyra Mattar
Laguna
 
No dia 17 de junho, quando foram abertas as propostas financeiras às obras do lote 1 da futura ponte de Cabeçudas, em Laguna, a empresa JM Terraplenagens e Construções, de Brasília, era a que havia apresentado o menor valor: R$ 58.636.738,70 para duplicar os 5,1 quilômetros de pistas não licitadas em virtude da obra-de-arte especial. Um deságio de 17,8% em relação ao orçamento, de R$ 71.312.586,69.
 
Ontem, o Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit) anunciou o resultado final da licitação. A vencedora foi o consórcio Castellar/TV, de Curitiba. Isto porque, das 14 participantes, três foram desclassificadas por apresentaram preço unitários maiores do que os do Dnit em diversos itens.
 
Foram inabilitados o consórcio Sulcatarinense/MACBC e as empresas Bolognesi Engenharia e JM Terraplenagens e Construções. Agora, a comissão de licitação do Dnit aguardará o prazo recursal de cinco dias úteis para eventuais contestações. Caso não haja nenhuma, o resultado homologado é publicado no Diário Oficial da União.
 
Depois disso, começam os trâmites de contratação da vencedora e, por fim, é dada a ordem de serviço, o que poderá ocorrer também no próximo mês, junto com a autorização para o início dos trabalhos de construção da nova ponte propriamente dita.
 
O lote 2 foi vencido pelo consórcio Camargo Corrêa/M. Martins/Construbase, que já está em Laguna para a montagem de seu escritório, do canteiro de obras e contratação de mão-de-obra.
 
Rua é interditada para a montagem do canteiro de obras
Por até cinco anos, será interditada parcialmente, em uma extensão de 280 metros, a rua Giocondo Tasso, em Mato Alto, Laguna. Mas é por uma boa causa: a instalação do canteiro de obras para a construção da ponte sobre o canal de Laranjeiras, em Cabeçudas. O consórcio Camargo/Corrêa é o responsável pela execução dos trabalhos. 
 
No local, serão montados os escritórios, alojamentos, pátio de fabricação de pré-moldados, central de concreto, estacionamento de veículos e máquinas. A rua é próxima ao terreno de dez hectares alugado pela empresa. Na área, será realizada a concretagem de partes da obra, que será levada por balsas até o local da ponte.
 
O trânsito de veículos ficará proibido nesta parte da via. Transitarão no local somente máquinas, veículos e equipamentos destinados às obras da ponte. O ponto do transporte coletivo será na rua Três, próxima à Giocondo Tasso. A sinalização será providenciada pela prefeitura. A obra sobre o canal deverá começar em dois meses e envolverá cerca de 1,5 mil funcionários. Aproximadamente 800 vagas de emprego serão preenchidas em Laguna.