Edson, Alexandre e Daniel reclamam do descaso com a vala: muito lixo ao redor e dentro do local
Edson, Alexandre e Daniel reclamam do descaso com a vala: muito lixo ao redor e dentro do local

Karen Novochadlo
Tubarão

Há poucos dias, os moradores das proximidades da avenida Visconde de Barbacena, no bairro Andrino, encontraram mais de 30 pneus de motos e carros jogados próximo a uma vala, por onde escorre o esgoto da Vila Moema, Recife, dentre outros bairros. Não se sabe a origem do material, mas os moradores têm uma certeza: se não fosse retirado, entupiria a vala ou seria utilizado para a reprodução de mosquitos, inclusive o da dengue. 
 
O problema não é de hoje. O morador Alexandre Antunes Goulart, 30 anos, conta que já encontraram animais mortos, computadores e equipamentos eletrônicos, e até materiais que são recolhidos normalmente pela empresa coletora de lixo ou poderiam ser reciclados.
 
Outro morador, Daniel Pereira dos Santos, 37 anos, relata que há até um sofá dentro da vala. Às vezes, a vizinhança faz vigília para flagrar os infratores, mas alguns atuam de madrugada. Em várias ocasiões, em decorrência das chuvas, o valo transbordou e o lixo entrou nas casas. 
 
Edson Nunes, 57 anos, pede para que seja colocado um areão melhor na estrada. E também placas de proibido jogar lixo. Também já foram entregues pelo menos dois abaixoassinados para pedir melhorias na região. Um deles foi feito em agosto. A principal reivindicação é que o esgoto não seja a céu aberto. 
“Não somos muito exigentes. O que queremos é pouco”, pede Daniel. 
 
“Não existe solução a curto prazo”
Hoje, Tubarão tem mais de 20 quilômetros de valas. O secretário de infraestrutura da prefeitura, Nilton de Campos, conta que seria impossível fazer a drenagem sem firmar convênios. Ele lembra que hoje é feito um estudo para a execução da macrodrenagem em Tubarão. 
Na última semana, foi assinado o contrato com o novo consórcio que irá gerenciar o sistema de água e esgoto em Tubarão. Neste acordo, consta a realização do tratamento de esgoto no município, conforme consta no Plano Municipal de Água e Esgotamento Sanitário (Pmae). “Não existe uma solução a curto prazo, infelizmente, só a médio e longo”, lamenta Nilton.    
Quanto à estrada, Nilton garante que mensalmente é feito um reparo. No caso do lixo, a orientação é que seja denunciado o caso à prefeitura e anotada a placa do infrator.