Ângelo durante congresso: “ampla investigação é necessária, além de tratamento”  -  Foto:Divulgação/Notisul
Ângelo durante congresso: “ampla investigação é necessária, além de tratamento” - Foto:Divulgação/Notisul

Tubarão

A hipertensão arterial pulmonar, que costuma ter mortalidade superior a alguns tipos de câncer, foi parte dos debates que o médico tubaronense Ângelo Ferreira da Silva participou de um congresso em Berlim, na Alemanha, entre os dias 15 e 17 deste mês.

“O principal sintoma desta doença é a falta de ar progressiva e não explicativa por outra causa. Necessita de uma ampla investigação, além de tratamento com medicações especiais e acompanhamento médico frequente e contínuo”, revela.

Segundo Ângelo, como os sintomas podem ser atribuídos a outras causas, muitos pacientes acabam sendo diagnosticados apenas quando a doença já ultrapassou o estágio inicial. Atualmente, as opções de tratamento melhoraram bastante. 

Doença é pouco conhecida
O Dia Mundial da Hipertensão Pulmonar, em maio, foi escolhido pelas autoridades em saúde pública com o objetivo de divulgar a doença no país. Uma pesquisa indica que mais de 80% das pessoas a desconhecem.
Deve-se ter muita atenção ao histórico familiar, uso de drogas, doença cardíaca congênita, anemia, infecção por HIV, entre outros.