Amanda Menger
Tubarão

Quem transita pela rua João Adolfo Corrêa, também conhecida como estrada geral do Passo do Gado, em Tubarão, deve redobrar a atenção. Isso porque a sinalização feita pela secretaria de desenvolvimento urbano da prefeitura, para indicar um problema na pista (o asfalto cedeu em consequência das chuvas no início de janeiro), foi furtada.

“Estão demorando muito para arrumar. Já faz quase dois meses que desbarrancou o asfalto e até agora nada. O pior é que não está sinalizado. O pessoal da prefeitura vem colocar os cavaletes e logo eles somem”, protesta o morador José Roberto da Silva.
O ‘sumiço’ dos cavaletes preocupa o secretário de desenvolvimento urbano da prefeitura, Nilton de Campos. “Praticamente todos os dias a sinalização é refeita naquele ponto. Encontramos pedaços dos cavaletes e estamos até com dificuldade de repor as peças. Sabemos dos perigos para quem trafega por lá, mas a população tem que colaborar, denunciar quem furta e quem depreda os cavaletes, porque, afinal, esse material é pago com dinheiro público, com dinheiro de todos”, observa Nilton.

Segundo o secretário, como o terreno cedeu, será necessário refazer a terraplanagem e, só então, pavimentar com asfalto. “Esse problema foi detectado e está no relatório da Defesa Civil do município. A licitação para contratar uma empresa para fazer o trabalho já está em trâmite. Mas isso ainda deve levar mais algumas semanas até que o pessoal comece efetivamente a trabalhar”, explica Nilton.

Horário de recolhimento
de lixo não é respeitado

Todos os bairros de Tubarão contam com coleta de lixo. Em cada um, há horários pré-estabelecidos para que funcionários da empresa contratada façam o recolhimento dos dejetos. No centro da cidade, devido ao volume de material, a coleta ocorre todos os dias, após às 19 horas. Porém, em diversos pontos, como na rua Padre Bernardo Freuser e na Tubalcain Faraco, esses horários não são respeitados.
“As pessoas simplesmente colocam o lixo na calçada, na Padre Bernardo Freuser, na frente do estacionamento nem tem a caixa coletora. Isso fica muito feio para a cidade. Além disso, com as sacolas jogadas de qualquer jeito tornam-se alvo dos cães, que furam os sacos à procura de comida. Depois, ninguém se sujeita a limpar o que ficou jogado no chão”, reclama o motorista Thiago Ribeiro.

Terreno baldio preocupa moradores

Os moradores da rua Fernando Esmeraldino de Menezes, no bairro Fábio Silva em Tubarão, estão preocupados com um terreno baldio que fica próximo a uma encosta. O local está tomado pelo mato e, segundo os vizinhos, é ideal para a proliferação de ratos, cobras e outros insetos.

“Tem duas ‘piscinas’ neste terreno, são dois buracos grandes que acumulam água da chuva e servem de criatório para muitos insetos, principalmente mosquitos. Quando chega a noite, não podemos deixar as janelas da casa aberta, é uma situação muito ruim”, reclama a dona de casa Thayze Francisco Claudino.
Em um desses buracos, o repórter fotográfico do Notisul, Cristian Medeiros, encontrou um sofá atirado. “Tem muito lixo também. Muitas pessoas veem o mato e depositam o que não serve mais aqui. Nas chuvas do mês passado, esse terreno encheu de água, e o lixo foi levado com a ‘correnteza’”, conta Thayze.

Outro problema encontrado pelos moradores é que o mato avança para as residências. “No verão, as plantas crescem mais rápido. Meu marido tentou cortar um pouco desse mato, na parte que está próximo à nossa casa. Mas, o terreno é particular, então o dono que cuide, que faça a sua parte”, observa a dona de casa. Segundo ela, a prefeitura já foi procurada há alguns meses, mas nenhuma providência foi tomada. O Notisul tentou contato com o secretário de serviços públicos da prefeitura, Fabiano Bitencourt, mas ele não foi localizado.