Foto:Divulgação/Notisul
Foto:Divulgação/Notisul

Tubarão

Após um mês da entrega da ordem de serviço para a construção das cabeceiras da ponte de Congonhas, o trabalho de estaqueamento está sendo feito pelo lado de Tubarão. Uma das obras mais aguardadas da região ligará a Cidade Azul à Cidade das Praias. 

Ao todo, são 34 estacas em ambos os lados que serão cravadas no chão, cada uma com 24 metros de profundidade. Para o secretário executivo da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Tubarão, Nilton de Campos, o trabalho está sendo executado como se esperava e em breve todos poderão usufruir da ponte. “Sabemos que muitos entraves apareceram pelo caminho, mas o que passou é passado, agora estamos com a obra da cabeceira em execução e dentro do cronograma. Em breve todos vamos poder usar a ponte”, afirmou.

Segundo o supervisor da obra, Alessandro Peres de Matos, o cronograma estabelecido pela empresa Engeton Construção Civil Ltda está dentro do esperado e até o fim da próxima semana o serviço de estaqueamento em Tubarão deve ser encerrado dando início às obras pelo lado de Jaguaruna. “Montamos o canteiro de obras, preparamos todo o local e de imediato iniciamos a montagem de ferragem de blocos em Criciúma, um processo que seria impossível de fazer no local da obra. Agora vamos trazer pronto, o que vai agilizar o andamento”, explica.

A ponte
A obra das cabeceiras da ponte foi orçada em R$ 1.898.001,91. A empresa Engeton tem o prazo de 120 dias para a sua conclusão. A ponte, que fica localizada no bairro Congonhas, faz divisa com o município de Jaguaruna e foi demolida pelas prefeituras em janeiro de 2014. Sem solução para resolver o problema da passagem dos veículos, o governo do estado assumiu a responsabilidade da construção da ponte, sendo acordado na época que as prefeituras iriam construir as cabeceiras. Em 19 de março de 2014 houve a descentralização dos recursos e a licitação. Em junho do mesmo ano foi entregue a ordem de serviço.

No fim da obra, em agosto de 2015, as prefeituras, sem recursos para construir as cabeceiras, tentaram resolver a situação, mas o trabalho foi suspenso pela ADR de Tubarão. O governo do estado verificou que houve um erro no projeto, e não havia o complemento das cabeceiras. 

Então, assumiu a responsabilidade que era das prefeituras e, em fevereiro deste ano, o projeto complementar ficou pronto.