Foto: Instituto Baleia Franca
Foto: Instituto Baleia Franca

Dia 1⁰ de julho começa oficialmente a temporada de observação de baleias-franca no Litoral Sul de Santa Catarina, especialmente em Laguna, Imbituba e Garopaba, cidades que integram o destino de ecoturismo Rota da Baleia Franca.

A região é o único berçário de baleias-franca do Brasil. Nesta época do ano, esses cetáceos migram das Ilhas Geórgias do Sul, na Antártida, em busca de águas mais quentes e calmas para se reproduzir, parir e amamentar seus filhotes.

Na temporada de 2018, o Instituto Australis registrou 284 baleias francas, o maior número dos últimos 31 anos. Este ano, por enquanto, já houve um registro de baleia-franca em Bombinhas, no Litoral Norte do Estado.

A novidade para 2019 é a retomada do Turismo de Observação de Baleias Embarcado (Tobe). Suspensa desde 2012, a atividade passou por um processo de regramento através do desenvolvimento, pelo ICMBio, de um plano de fiscalização e normatização. Aliado a isso, como exigência, também foi finalizado e publicado o Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca.

Cinco operadoras se cadastraram para realizar os passeios embarcados, que terá início a partir do dia 15 de agosto.

Os meses com maior número de avistamentos, principalmente das mães com seus filhotes é nos meses de agosto, setembro e outubro, quando termina a temporada oficialmente.

Novas regras para o turismo embarcado

É importante destacar que o Tobe terá normas mais restritivas nesta temporada. Entre elas está a delimitação da distância da embarcação para avistamento, que passou de 100 para 120 metros. Será permitida somente uma embarcação por vez em cada praia/baía, com intervalo de saída a cada duas horas, após a chegada da última embarcação nesta baía, sendo uma frequência de até duas saídas por enseada.

Além disso, foram mantidas as “áreas refúgio” estabelecidas em 2006 e criada uma nova, na enseada das praias da Ribanceira e Ibiraquera, em Imbituba. Estas áreas, consideradas de grande importância como berçário, ou locais onde a observação a partir de terra é privilegiada, tem regras ainda mais restritivas: não poderá ser realizado o avistamento embarcado. As áreas refugio criadas desde 2006 são as praias da Gamboa, Garopaba, Silveira, Luz, D’água e da Vila

As porções costeiras das três cidades que compõem a Rota da Baleia Franca estão inseridas na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, unidade de conservação federal de uso sustentável.

A região possui regras específicas para o uso e ocupação do território, leis que protegem a biodiversidade local e normas para o uso sustentável dos recursos naturais.

Rota da Baleia Franca

A Rota da Baleia Franca é fruto de um projeto desenvolvido pelo Sebrae com apoio das Prefeituras de Garopaba, Imbituba e Laguna.  Atualmente é coordenada pelos empresários, através do Núcleo Rota da Baleia Franca, desenvolvido pela Federação das Associações Empresariais de SC (Facisc), com suporte das Associações Empresariais de Garopaba, Imbituba e Laguna.

Próximo de aeroportos e capitais

Por via terrestre, pela BR-101 (a uma distância de 400km de Curitiba, pelo norte, e 400km de Porto Alegre, pelo sul); e por via aérea, os portões de entrada são Jaguaruna (a 70km) e Florianópolis (a 100km). Saiba mais no site: www.rotabaleiafranca.com.br.