A chuva forte e constante que tem atingido a cidade de São Paulo causou uma morte, provocou diversos danos e deixou a cidade alagada na manhã desta segunda-feira (10/2). O corpo de um homem de 33 anos, que estava desaparecido desde a noite de domingo, foi encontrado nesta manhã no piscinão de São Bernardo, entregue em agosto do ano passado e que deveria evitar as enchentes no município.

Um dos estragos que causaram impacto nesta manhã foi a situação da sede social do São Paulo Futebol Clube. Em imagens registradas pela TV Globo, o local aparece totalmente tomado pela lama. Toda a área das piscinas foi invadida pelo barro e se encontra com cadeiras de sol até mesmo dentro das piscinas.

A sede fica ao lado do estádio Estádio do Morumbi, sede oficial do São Paulo Futebol Clube. O problema no clube é recorrente na época de chuvas pesadas na cidade. Em março de 2019, a sede social do São Paulo também ficou inundada depois de uma  tempestade na região e o clube teve que ser interditado. 

A movimentação na cidade está complicada. Avenidas e linhas de trem estão paradas. As linhas 8 e 9 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) são as mais prejudicadas. 

 

Aulas estão suspensas. O Fórum de Justiça também interrompeu as atividades programadas para esta segunda-feira. 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) declarou alerta vermelho para a cidade que tem mais de 70 pontos alagados. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE), da Prefeitura de São Paulo, a cidade tinha, por volta das 7h20 desta manhã, 76 pontos de alagamento, sendo oito deles transitáveis e 68 intransitáveis.  

Foram 320 registros de ocorrência com enchentes na Grande São Paulo, 36 desabamentos e 47 quedas de árvores até as 9 horas desta segunda-feira. No total, os Bombeiros receberam 4.090 chamados por conta das chuvas.