Brasília (DF)

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, e o ministro da fazenda, Guido Mantega, defenderam ontem a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que reajustou na última semana em 0,5 ponto percentual a taxa básica de juros.

De acordo com os ministros, a decisão do colegiado reflete a preocupação do governo de manter a pressão inflacionária sob controle. Meirelles lembrou que o aumento da taxa Selic foi “necessário” e disse que “não foi decisão de uma pessoa só”. A decisão do Copom de ampliar a Selic de 11,75% para 12,25% ao ano foi unânime.

“Estamos tomando medidas para sustentar o ritmo de crescimento, que é compatível com as necessidades de redução das desigualdades (sociais)”, disse Meirelles. “O caminho está correto. O último aumento de juros foi uma ferramenta para manter a inflação sob controle. Os números apresentados mostram que estamos no caminho certo”, disse o presidente do BC.

Na avaliação de Mantega, apesar da alta dos alimentos, o governo tem condições de manter a inflação dentro da meta de 4,5%, com dois pontos percentuais para mais ou para menos. A pressão de grãos sobre o índice, explicou, já atingiu o seu ponto máximo e tende agora a diminuir.