Zahyra Mattar
Tubarão

Santa Catarina reúne 12 mil produtores de suínos. No Vale de Braço do Norte, estão concentrados nada menos do que 45% dos produtores independentes. A região é responsável por 18% dos suínos criados no estado. Os números tão expressivos ficam quase esquecidos quando o assunto é o sufoco que o setor vive.
Dos mais de cinco mil produtores do Vale, não existe um sequer, que não tenha dívida com algum banco. A gripe A e o crise mundial entre 2008 e 2009 deixou o setor no vermelho.

A retomada começa a ser ensaiada agora. E um novo “coadjuvante” foi anunciado pelo estado: o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) assinou o decreto que isenta o ICMS gerado sobre a venda dos produtos a base de suíno por mais 45 dias.
A medida, teoricamente valoriza mais os frigoríficos, mas na prática não é isso que ocorre já que a indústria repassa ao produtor o que “economiza” com o pagamento do importo. E é desta forma que os empresários começam a alavancar novamente a atividade.

“Já não estamos mais no prejuízo. Mas ainda não conseguimos fazer caixa para pagar a dívida e ainda ter lucro”, lamenta o presidente da Associação dos Criadores de Suínos de Santa Catarina, Adir Engel, mas em tom de alívio já que o decreto beneficiará muitos os produtores, especial neste período, um época em que, historicamente, o consumo de carne de porco diminui consideravelmente.

Sem problemas em Tubarão
Parte desta alta também é credita ao preço do insumo, hoje muito menor do que no ano passado. Com isso, o suíno vivo, antes comercializado com os frigoríficos a uma média de R$ 180 a R$ 2,00, hoje está entre R$ 2,25 e 2,30.