Capivari de Baixo

Com o objetivo de arrecadar fundos para a construção da nova igreja matriz São João Batista, em Capivari de Baixo, será promovido nos dias 26, 27 e 28 deste mês, mais uma edição do Bazar Beneficente. Serão comercializados calçados, móveis, utensílios domésticos, brinquedos, livros e roupas adulto e infantil com preços acessíveis.

A ação ocorrerá no Centro Social Padre Hilário Puziski, no centro, da cidade termelétrica. O bazar é montado por causa das doações que são ofertadas pelos munícipes e também por donativos oferecidos por entidades e por pessoas de outras cidades. Conforme os organizadores tudo é separado e organizado com muito carinho. O montante arrecadado servirá também para a manutenção do Centro de Apoio à Criança e ao Adolescente (Ceaca), instituição que colabora com o desenvolvimento das crianças e adolescentes com idade entre 6 a 18 anos.

De acordo com o pároco José Eduardo Bittencourt, a partir do próximo dia 16, a paróquia receberá os materiais para a doação, que posteriormente serão comercializados no bazar. “Será um bazar de tudo um pouco, como ocorreu nos dois últimos anos. No ano passado até tampa de panela foi comercializado. Quem puder trazer a sua doação nós iremos alocar no salão, mas aqueles que querem fazer a sua doação e não conseguirem trazer, por exemplo, um material maior como um móvel, nós vamos buscar o produto doado”, pontua.

Sobre a nova igreja, o padre destaca a importância da nova construção. Ele pontua que a intenção não é apenas de um prédio bonito, mas de expressão da fé e do encontro com Cristo. “Há uma necessidade de reforma na igreja, uma questão de estrutura, estética e porque no ano passado completamos 60 anos de paróquia. Cada jubileu requer que a paróquia se reorganize. Reunimo-nos e vimos que havia necessidade de construção”, destaca.

Além do valor arrecadado nas festas e com o bazar, a população colabora com doações em dinheiro. Foi assim que há pouco mais de cinco anos foi construída a capela São Miguel Arcanjo, no Loteamento Camila, no bairro Caçador, também na cidade termelétrica e assim que ocorre também na capela Santo André, em Capivari de Baixo. Na capela São Miguel Arcanjo, os moradores doavam materiais para a construção como tijolos, cimento e ferro, além de uma quantia em dinheiro.