Um grupo islamita local, o National Thowheeth Jama’ath (NTJ), está por trás dos atentados suicidas que deixaram 290 mortos no Sri Lanka no domingo, anunciou nesta segunda-feira o porta-voz do governo, Rajitha Senaratne. As autoridades cingalesas investigam eventuais vínculos desta organização com grupos estrangeiros.

Uma nota divulgada há 10 dias pela polícia do Sri Lanka alertava que o NTJ preparava atentados contra igrejas e a embaixada da Índia em Colombo. O grupo, não muito conhecido, foi relacionado no ano passado com atos de vandalismo contra estátuas budistas. No domingo, vários homens-bomba mataram 290 pessoas em vários pontos do país quando detonaram suas cargas explosivas em igrejas que celebravam a missa da Ressurreição e em hotéis de luxo.

 

A primeira onda de ataque atingiu o “coração” da minoria cristã do país. Igrejas nas cidades de Colombo, Negombo e Batticaloa registraram explosões nesse domingo. Novas detonações foram contabilizadas em hotéis considerados de luxo, tais como Shangri La, Cinnamon Grand e no hotel Kingsbury. Em nota, a administração do Shangri La relatou que um determinado local do prédio foi atingido por uma bomba logo depois das 9h (horário local).

O prédio é popular entre turistas e costuma sediar encontros de negócios da comunidade do Sri Lanka. Ainda no domingo, logo depois da série de explosões, o governo decidiu bloquear todas as plataformas das redes sociais, com o objetivo de impedir a propagação de informações incorretas e falsas.