Tubarão

O 2º seminário ‘Direito das mulheres’, ocorre nesta sexta-feira (13), em Tubarão, a partir das19h30. O evento abordará temas como: mulheres e a ditadura militar, direito e literatura, mulheres indígenas e feminicídio. O seminário será no auditório 201 do Bloco C, na Unisul.

A ação ocorre em celebração ao Dia Internacional da Mulher, lembrado no último domingo O evento é gratuito, aberto ao público, não precisa de inscrição prévia e dá direito a certificado. As palestras serão ministradas pelas professoras. Dra. Andreia Daltoé (PPGCL/UNISUL) – ‘Mulher e Ditadura: o a mais de uma luta’, MSc. Heidi Michalski (PPGD/UFSC) – ‘A voz das mulheres indígenas latino-americanas no enfrentamento da mudança climática’; MSc. Thais Pertille (PPGD/UFSC) – ‘Direito e arte: O inconsciente jurídico para pensar justiça de gênero’; e a Esp. Patricia Fileti (UNISUL) – ‘Dados da Comissão de Combate à Violência Doméstica da OAB/SC’.

O evento se debruçará sobre os entraves e desafios para a maior inserção feminina na sociedade. “Entendendo que o direito é fruto da sociedade e que vivemos em uma sociedade machista, que hierarquiza homens e mulheres, é essencial questionar como essa visão influencia a criação e aplicação do direito. Espero que esse seminário possibilite trocas de experiências e discussões críticas no que diz respeito à posição das mulheres dentro da nossa sociedade, em especial no que concerne ao direito”, observa uma das organizadoras do evento, a professora de direito Camila Damasceno.

A discussão sobre o Direito e a questão de Gênero nasce da necessidade de discutir em âmbito acadêmico as demandas específicas relacionadas à realidade social atual em que a mulher está inserida, demonstrando a sua relevância política, jurídica e ética na formação de uma sociedade democrática e plural. “Esse evento é um espaço de representatividade feminina dentro da universidade. Muito embora as mulheres representem a maioria dos estudantes de ensino superior, isso não garante posições de destaque para elas dentro da academia. Uma mesa composta somente por mulheres palestrantes é uma raridade, especialmente dentro da seara do curso de Direito”, detalha.