Bertoldo Weber
São Ludgero

Os semáforos instalados há uma semana no centro de São Ludgero deram muita dor de cabeça à população. As filas eram “gigantescas”. Em virtude disso, o secretário de transportes e obras da prefeitura, Bertino Hobold, decidiu deixar o sinal de alerta ligado até que uma reavaliação seja feita com a empresa contratada para assessorar nesta questão.

Segundo Hobold, uma análise detalhada e aperfeiçoamentos precisam ser feitos para que o fluxo de veículos tenha maior agilidade. O assunto gerou uma série de debates na última sessão do legislativo. Para o vereador Amilton Becker (PSDB), deveria haver um estudo antecipado do fluxo de veículos e também a sinalização nos cruzamentos, para somente depois colocar os semáforos em funcionamento. “Um dos absurdos é as conversões à esquerda nos locais onde estão os equipamentos. O sentido deveria ser o da direita”, avalia.

O vereador Valmor José Dácio (PMDB) concorda com Amilton e diz que o tempo para os veículos que transitam pela rodovia SC-438 precisa ser menor que os das ruas paralelas. Para o presidente do legislativo, Moadir Matias (D25), faltou planejamento. “Precisa de ajustes. Além disso, às vezes é preciso um pouco de tempo para as pessoas adaptarem-se”, analisa.

A empresa contratada pela prefeitura de São Ludgero, pelo valor de R$ 4 mil, tinha a responsabilidade de desenvolver um levantamento da situação com análise e diagnóstico sobre a estrutura e o sentido do trânsito, estacionamentos nas vias, trânsito de veículos de carga, sinalizações vertical e horizontal, faixas de pedestres, além de identificar os locais críticos e sugerir melhoramentos e apresentar uma proposta de soluções a curto, médio e longo prazo. O contrato foi assinado no dia 10 de março e a vigência é até o próximo dia 30. A implantação dos dois semáforos custou R$ 116 mil aos cofres municipais.