No primeiro trimestre do ano, o consumo de energia elétrica na área de concessão da Celesc atingiu 6.824 GWh, um crescimento de 8%, em comparação ao mesmo período de 2018. Trata-se do maior índice de desempenho registrado nos últimos cinco anos, a qual a média de crescimento de consumo para o período estava na casa de 2% a cada trimestre.

A atual alta do consumo neste primeiro trimestre foi puxada, especialmente, pela classe residencial, com aumento de 15,7% no volume de energia consumida, e pela classe comercial, cujo crescimento foi de 10,2%.

Os números reforçam o impacto das altas temperaturas que foram registradas em Santa Catarina durante o Verão, que intensificou o uso de aparelhos elétricos como o ar condicionado e ventiladores para amenizar o calor. “Tivemos, realmente, uma temporada muito quente e que causou esse grande aumento de consumo. Tanto que nos meses de janeiro e fevereiro ocorreram, na nossa área de concessão, sete recordes históricos de picos de demanda, sendo seis deles em dois blocos de dias consecutivos”, relembra o diretor comercial da Celesc, Antônio Linhares.

Situações semelhantes foram vivenciadas nas regiões mais quentes do país, como Centro-Oeste e Sudeste. A situação também desencadeou a grande polêmica relacionada à alta das contas de luz e os impactos do aumento dos impostos em efeito cascata.

Atualmente, por determinação do Ministério Público, a Celesc finaliza a aferição de 1.200 medidores em unidades consumidoras indicadas pelo Procon-SC para apurar se houve irregularidades no faturamento. O relatório final deverá ser entregue ao Ministério Público na segunda-feira.